Carta para quem deseja assumir o Cabelo Natural

Finalmente você cansou dos alisamentos químicos e do calor da chapinha. Finalmente você resolveu dar uma chance para si mesma e descobrir aquilo que sempre nasceu em você, mas que nunca pôde ser exatamente como é.

Essa, infelizmente, não será uma jornada fácil. É provável que a sua família não te apoie e diga que você fica mais bonita com o cabelo liso – e você concorde com isso. Para a sua surpresa, talvez aquele namorado que parecia te amar termine com você. Como se não bastasse, aparecerá vários eventos que exigem um cabelo bem arrumado, enquanto você estará com a raiz super alta.

Se você for forte e fizer o big chop, verá um monte olhares tortos e debochados. Irão dizer que cabelo curto é coisa de homem e que você está desleixada com a aparência – quando, na verdade, você nunca se preocupou tanto com a sua autoestima.

Depois do big chop, a sua relação com o seu cabelo será como a de uma criança que está descobrindo o mundo: você terá que aprender como ele se comporta, o que funciona e não funciona… Até tocá-lo será uma experiência incrível. Além disso, possivelmente, você verá que ele não forma o tipo de cacho que você esperava. É normal que ele seja mais crespo do que aparentava ser, e isso, talvez, te fará querer fazer um relaxamento pensando em soltar os cachos: não faça isso, a menos que você queira viver a transição pela segunda vez.

Se o seu cabelo for tipo 4, você terá que aprender a amá-lo. Não seja boba de sair da ditadura do liso para entrar na ditadura dos cachos perfeitos. Não seja escrava da definição. O cabelo tipo 4 é super versátil e motivos não faltam para que você viva um caso de amor com ele.

Há mais uma coisa que pode te fazer colocar tudo a perder: o fator encolhimento. Ele, junto com o desejo de cachos mais “soltos”, é uma armadilha. Você irá querer ver o cabelo crescer rápido e o fator encolhimento atrapalha, mas é preciso aceitar que o fator encolhimento faz parte – e você não está sozinha.

Sentir-se pouco feminina com o cabelo curto é comum. Pra resolver isso você pode abusar dos acessórios, como as tiaras, por exemplo – as feitas de tecido são um amor. Mas essa insegurança é passageira, logo ela dará lugar à autoestima que você nunca experimentou antes.

No fim, valerá a pena. Você não se reconhecerá mais com o cabelo liso e verá que o cabelo bom que você sonhava ter, sempre esteve ali. O volume, que era inimigo, será seu amigo, e até mesmo o frizz será bem-vindo. Ir ao salão não será uma obrigação, nos dias quentes haverá banho da cabeça aos pés e quando for à praia haverá banho de corpo e alma.

+ sobre o tema

para lembrar

‘Arte em Movimento’ de Solyano na Alesp

O artista plástico mogiano Jorge Solyano promove a exposição...

Em lua de mel com papa, Cuba vê renascimento de fés afro-cubanas

Reformas econômicas e abertura religiosa fortalecem a santeria, prática...

Partido Socialista francês terá primeiro líder mestiço da história do país

O eurodeputado Harlem Désir, ex-líder da associação SOS Racismo,...

Curso online sobre os Panteras Negras

O Coletivo Cultural Dijejê organiza entre os dias 10...
spot_imgspot_img

Censo 2022: população quilombola tem perfil jovem e maioria masculina

As populações quilombolas possuem perfil mais jovem do que o observado na população total do Brasil. Além disso, nos territórios quilombolas, a presença dos...

Podcast Pessoas: Temporada Vidas Negras é destaque do mês no Museu da Pessoa

Nele, cada episódio apresenta a edição de uma entrevista que compõe o acervo do Museu da Pessoa no formato storytelling. O Podcast, lançado em 2020,...

Leci Brandão – Na Palma da Mão em curta temporada no Imperator

Com direção de Luiz Antonio Pilar e texto de Leonardo Bruno, musical que celebra vida e obra da artista se apresenta no Imperator Vencedor do Prêmio Shell de Teatro na categoria "Direção" Nome incontornável da música brasileira, compositora e intérprete de...
-+=