Canta, Luciane

Ela foi às redes sociais denunciar a revista que sofreu nos cabelos black

Luciane Dom é uma mulher negra de 34 anos, nascida em Paraíba do Sul (RJ). Formou-se em História na Uerj. É cantora e compositora. Lançou o primeiro álbum, “Liberte esse banzo”, em 2018. No Spotify, tem 12 mil ouvintes mensais e duas dezenas de singles. Já se apresentou nos Estados Unidos, no Chile, na Colômbia e no Canadá. Cantou com Luedji Luna, Vox Sambou, Liniker e os Caramelows, Emeline Michel, Malika Tirolien. Em março, ganhou em Nova York o African Entertainment Awards USA, na categoria estrela em ascensão. Neste ano, atuou no musical “Viva o povo brasileiro”. Anteontem, Lu foi às redes sociais anunciar o lançamento, hoje, de sua mais recente composição, “É Natal”. A sobrinha pequena pediu uma canção para a festa. Em uma semana, a tia compôs; em um dia, produziu; em horas, gravou.

Não sabia da impressionante trajetória nem ouvira a voz cristalina de Luciane Dom até o racismo atravessar seu caminho. Ela já deveria ser minha — de todos nós — velha conhecida. Lu Dom foi às redes sociais denunciar a revista que sofreu nos cabelos black, depois de já ter passado pelo raio-X do Aeroporto Santos Dumont. O post viralizou feito rastilho de pólvora e me alcançou como bofetada no fim da manhã de ontem. Na foto, uma Lu perplexa e triste foi gatilho para o tanto de violência que, vida afora, pessoas negras sofremos — e, surpreendidos, acabamos por não reagir. Não há criança, mulher ou homem negro neste país que não tenham sido, direta ou indiretamente, ofendidos pelo cabelo que têm. Na escola primária, lembro-me do cabelo repartido em coques que (supostos) colegas apertavam e chamavam de Bombril. A fabricante não faz muito tempo foi denunciada pela ONG Criola pela esponja de lã de aço batizada de Krespinha, referência óbvia ao cabelo de mulheres negras. A ação, que envolve pedido de indenização de R$ 1 milhão, corre no TJ-RJ desde 2021. O produto foi retirado do mercado.

Ato contra o racismo, em São Paulo, no Dia da Consciência Negra — Foto: Miguel Schincariol/AFP

Diante da opressão que impõe pele branca, cabelo liso e magreza como padrão de beleza, a relação das pessoas negras com a própria cor e o próprio corpo é pavimentada por pedras no percurso até a autoestima. A literatura traz evidências. Sem esforço, dá para citar um punhado de livros que se ocuparam do assunto. “História social da beleza negra” é a tese de doutorado da historiadora Giovana Xavier, tornada livro pela Rosa dos Tempos em 2021. A autora investigou o surgimento da indústria — e também da publicidade — de cosméticos para mulheres negras nos Estados Unidos, na virada do século XIX para o XX. Desvela segregação racial, ameaça à saúde, busca da boa aparência e da beleza, projeto de mobilidade social.

Djaimilia Pereira de Almeida, nascida em Angola, radicada em Lisboa, trata de pertencimento, identidade, racismo e feminismo em “Esse cabelo — A tragicomédia de um cabelo crespo que cruza fronteiras” (Leya, 2017). “A minha mãe cortou-me o cabelo pela primeira vez aos seis meses. O cabelo, que segundo vários testemunhos e escassas fotografias era liso, renasceu crespo e seco”, escreve de entrada. E lá pela metade: “A minha avó branca perguntava-me pelo cabelo: ‘Então Mila, quando é que tratas esse cabelo?’”.

A escritora e tradutora Stephanie Borges venceu o IV Prêmio Cepe Nacional de Literatura em poesia com “Talvez precisemos de um nome para isso” (Cepe Editora, 2019). No poema repartido em dez capítulos, o cabelo da mulher negra — com perdão da imagem — é fio condutor. “É triste que existam meninas virgens, mas seus cabelos não”, versa sobre as intervenções de ferro quente a compostos químicos, mais próximas de tortura que de beleza.

Em “Memórias da plantação — Episódios de racismo cotidiano” (Cobogó, 2019), Grada Kilomba, uma das curadoras da Bienal de São Paulo 2023, fez um capítulo inteiro sobre Políticas do Cabelo. Ela identifica cinco formas como negros são percebidos. Uma delas, a incivilização (personificação do outro violento e ameaçador, o criminoso, o suspeito, o indivíduo perigoso), foi a que pautou a abordagem violenta contra Lu Dom no Santos Dumont.

Corpos negros são alvo preferencial em abordagens de agentes de segurança pública e privada. No ano passado, o CESeC publicou “Negro trauma: racismo e abordagem policial no Rio de Janeiro”. Das pessoas que já tinham sido paradas por agentes da lei, dois terços eram pretas ou pardas. “Homens e mulheres relataram que, além da revista corporal, policiais às vezes procuram drogas nos cabelos”, informa o estudo.

Elisa Lucinda dedica esquete a cabelos crespos em “Parem de falar mal da rotina”, peça que encena há três décadas, transformada em livro (Record, 2023). Faz do humor denúncia contra a depreciação da estética e a criminalização da identidade negra. Nos últimos tempos, a literatura infantil produziu inúmeras obras para ajudar os pequenos a amar seus cabelos. “Hair love”, sobre uma menina negra, ganhou o Oscar 2020 de melhor curta de animação. David Junior e Yasmin Garcez, brasileiros, criaram a “Hora do Blec”, iniciativa artística com canal no YouTube e espetáculo musical com personagens liderados pelo menino negro Blec. “Cabelo lindo” é top ten na playlist do meu neto, Martin. É difícil construir autoestima, quando instituições promovem — e a sociedade naturaliza — a criminalização da pele e do cabelo de crianças, mulheres e homens negros.

Canta, Lu. É Natal.

Nota da redação

A Infraero divulgou a seguinte nota após o fechamento da coluna: “A cantora Luciane Dom foi selecionada aleatoriamente para uma inspeção manual. Após averiguação interna, foi constatado por imagens de câmeras de segurança que não houve inspeção nos cabelos. De acordo com a Instrução Suplementar IS 107.001-J, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), as gravações feitas por essas câmeras de segurança só podem ser compartilhadas com a Polícia Federal, mediante solicitação de representantes do órgão.

Um dos procedimentos previstos para garantir a segurança do passageiro e demais usuários, a realização de inspeção de segurança aleatória é prevista na Resolução ANAC nº 515, de 8 de maio de 2019. Destaca-se que os pórticos detectores de metais do aeroporto têm a capacidade de gerar alarmes aleatórios, com acionamento de forma automática ou sob ação do passageiro, para fins de controle de execução da inspeção aleatória.

Importante ressaltar que a inspeção de segurança aleatória é independente de origem, raça, sexo, idade, profissão, cargo, orientação sexual, orientação religiosa ou qualquer outra característica do passageiro.

A Infraero repudia quaisquer formas de discriminação e reitera que comportamentos como injúria racial e racismo não são tolerados nos aeroportos sob sua administração. A Companhia está à disposição das autoridades competentes para os esclarecimentos necessários. Atenciosamente, Assessoria de Imprensa Infraero.”

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

spot_imgspot_img

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a votação na Câmara dos Deputados que selou a permanência na prisão de Chiquinho Brazão por suspeita do...

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...
-+=