Estudante abandona curso de Direito no Mackenzie Rio após ser vítima de racismo

Alba Cristina, estudante do 2º semestre, foi vítima de injúria racial e entrou com pedido no MP contra o ato que sofreu

A estudante de direito Alba Cristina da Silva Conceição cursava o segundo semestre, no Instituto Presbiteriano Mackenzie, no Rio de Janeiro (RJ), quando ficou sabendo, no dia 5 de junho, que uma de suas colegas de classe havia dito ofensas de cunho racial a seu respeito e a respeito de suas duas filhas.

por Norma Odara no Brasil de Fato

“Ela se referiu a mim como ‘macaca’ e às minhas filhas como ‘macacas pretas e faveladas que eu pus pra fora’, conta a estudante.

Alba afirmou ao Brasil de Fato que foi até a universidade para falar com a coordenação, mas que eles trataram a situação de maneira “rasa e superficial”, e alegaram haver uma “ sindicância para estes casos”.

Posteriormente, emitiram uma nota no Facebook rechaçando qualquer tipo de atitude preconceituosa por parte da universidade, o que Alba considera insuficiente.

“Não entraram em contato comigo; a nota não me citou em nenhum momento; uma coletiva de imprensa ia acontecer na sexta-feira (9) [para publicizar o caso de racismo], mas a universidade a desmarcou em cima da hora; o DCE colocou uma nota para que os alunos avaliassem com cinco a instituição, para não dizer que ela é racista. Isso alimenta outros atos preconceituosos”, enumera a estudante. Procurado por telefone, o Mackenzie Rio não atendeu a reportagem.

Alba afirma que está muito chateada com a situação, que lhe afetou psicologicamente, emocionalmente e comprometeu seus planos acadêmicos e até orçamentários, uma vez que ela teve que pagar tanto o semestre que não vai cursar quanto a matrícula da nova universidade.

A estudante conta que alguns colegas de sala tentaram coagir a testemunha que acolheu as ofensas e contou a Alba, demonstrando o viés perverso do racismo que busca “silenciar quem fala a verdade”.

Ela conta ainda que seu primeiro post foi denunciado na rede social, mas ela publicou o mesmo conteúdo outra vez.

Injúria vs. racismo

Bruno Cândido, advogado de Alba, do escritório Almeida e Bandeira de Mello Advogados, explica as interpretações de racismo e injúria:

“O racismo é atribuído a uma coletividade, isto é, a um sujeito indeterminado, e a injúria racial como atribuição de termo pejorativo a um indivíduo determinado em razão de sua raça”.

As sanções também variam, o racismo é inafiançável e não prescreve e a injúria racial não recebe o mesmo tratamento, extraindo “consequências jurídicas e sociais insatisfatórias”, segundo o advogado, que não “contemplam grupos discriminados histórica e ciclicamente”.

O processo administrativo está em andamento dentro da universidade e a nota da instituição na íntegra você pode ler aqui.

Edição: Camila Rodrigues da Silva

+ sobre o tema

A nova versão da peça publicitária sobre os 150 da anos da Caixa com Machado de Assis negro

A Caixa Econômica Federal informou nesta terça-feira (11) que...

Lawsuit highlights Brazil’s struggles with race

By Mariano Castillo, CNN (CNN) -- Brazil, which recently overtook...

O vírus chegou mas a água do morro ainda NÃO

Os desafios que as comunidades periféricas vêm passando nos...

Diretora de escola que chamou professora de macaca é condenada em SP

Francisca Teixeira foi julgada por racismo por uma...

para lembrar

Senado decidirá se inclui o racismo como agravante na prática de crime

O Senado pode deliberar em 2016 sobre projeto de...

Negros não viajam no tempo

Quem nunca respondeu a esta pergunta: Se você pudesse...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=