Cassius Clay – Muhammad Ali

Foi o único boxeador que até hoje suportou 12 assaltos com o maxilar quebrado (luta com Ken Norton, em 1973). Converteu-se ao Islamismo (mudando de nome para Muhammad Ali-Haj) e lutou contra o racismo.

Muhammad Ali-Haj
Muhammad Ali-Haj

Muhammad Ali-Haj, nascido Cassius Marcellus Clay Jr., (Louisville, 17 de janeiro de 1942) é para muitos o melhor pugilista de todos os tempos. É mundialmente conhecido não somente pela sua maneira de boxear, mas também pelas suas posições políticas. Ali foi eleito ” O Esportista do Século” pela revista americana Sports Illustrated em 1999.

Nascido no estado do Kentucky, tornou-se o melhor lutador de boxe do seu tempo e começou vencendo os Jogos Olímpicos de 1960. Conquistou o título de campeão dos pesos pesados ao derrotar Sonny Liston em 1964. Perdeu o título em 1967 e foi proibido de atuar por três anos e meio por ter se recusado a lutar no Vietnã. Recuperou o posto ao ser reabilitado, mas logo perdeu para Joe Frazier. Ganhou de novo o título em 1974 ao vencer George Foreman em luta realizada no Zaire (retratada no documentário “Quando éramos Reis”), perdeu-o em 1978 para Leon Spinks e em seguida retomou-o de Spinks. Retirou-se do boxe quando ainda era campeão.

O pugilista americano Muhammad Ali é uma das lendas do esporte. Demoliu adversários no ringue, não se calou diante do preconceito racial e transformou-se num novo tipo de herói. Ele combinava força e velocidade para derrotar seus adversários.

Cassius Clay entrou no ringue Miami Beach vestindo um roupão curto, bordado nas costas com a inscrição “The Lip”(O Lábio). Rápido, esbelto e 22 anos. Pela primeira vez na vida, sentiu medo. O ringue estava cheio de pugilistas de futuro ou decadentes, de segundos e de empresários. Clay os ignorou. Começou se aquecendo, jogando o peso do seu corpo de um pé para o outro, arrastando-se desanimado no inicio, como um maratonista de dança às dez para ameia noite, mostrando aos poucos mais velocidade e prazer. Após alguns minutos, Sonny Liston, campeão mundial dos pesos pesados, atravessou as cordas e pisou na lona, cauteloso como se entrasse numa canoa. Usava um roupão com capuz. Seus olhos baços não traiam a preocupação, eram olhos mortos de um homem que jamais recebera favores da vida e nunca dera moleza a ninguém. Não pretendia começar logo agora, com Cassius Clay.

Praticamente todos os cronistas esportivos presentes no Miami Convention Hall esperavam ver Clay terminar a noite beijando a lona. Robert Lipsyte, jovem repórter de Box do New York Times, recebeu um telefonema do editor ordenando que estudasse bem o trajeto entre o ginásio e o hospital, para não se perder no caminho se tivesse que seguir Clay até lá. As apostas eram desfavoráveis a Clay na base de sete contra um, mas era quase impossível encontrar alguém disposto a aceitar uma aposta. Na manhã da luta o New York Post publicou um artigo de Jackie Gleason, o comediante da televisão mais popular do país, que dizia – “Prevejo que Sonny Liston vencerá aos dezoito segundos do primeiro round e a estimativa inclui os três segundos que o Boca de Sino vai levar consigo para o ringue”. Até os financiadores de Clay, o Grupo de Patrocinadores de Louisville, esperavam um fiasco. O advogado do grupo, Gordon Davidson, negociou duramente com a equipe de Liston, presumindo que aquela seria a última noite do rapaz num ringue. Davidson torcia apenas para Clay terminar “vivo e ileso”.

Ali vs Oscar Bonavena
Ali vs Oscar Bonavena

Na noite de 25 de fevereiro de 1964, a luta começou. De preto e branco, Cassius Clay deixou seu córner saltitando e imediatamente começou a circular no ringue, dançando, dando voltas e mais voltas no tablado, aproximando-se e afastando-se, a cabeça virando para um lado e para o outro, como se quisesse se livrar de um torcicolo no inicio da manhã, como leveza e Fluidez. Liston, um touro imenso cujos ombros davam a impressão de bloquear o acesso à metade do ringue, deu o bote, soltando um jab de esquerda. Errou por centímetros. Naquele momento, Clay começou a mostrar o que poderia acontecer naquela noite em Miami, e também algo que introduziria no boxe e nos esportes em geral, a união da massa com a velocidade. Um sujeito grande não tinha mais que se arrastar, podia socar como um peso pesado e se mover como Ray Robinson .

O tempo foi passado e Cassius Clay dominava a luta.Liston exibia dois olhos roxos. Envelhecera uma década em quinze minutos. Clay havia adorado a cena na época. As pessoas gritavam cada vez que o campeão dava um soco. Cassius Clay dançava e jabeava. No sexto assalto, mais parecia um toureiro cravando bandarilhas no cachaço do touro. No final do assalto, o campeão sentou-se na banqueta e lá ficou. Desistiu. O jovem Ali sorriu ao se ver jovem, dançando pelo ringue e gritando, “Sou o rei do mundo!” Subindo nas cordas e apontando para os cronistas esportivos gritava “Engulam suas palavras”. No dia seguinte, Cassuis Clay anunciaria que não era apenas campeão do mundo dos pesos pesados, mas também um membro da Nação do Irlã. Mais algumas semanas e teria um nome nome: Muhammad Ali. E em poucos anos o menino rápido e engraçado de Louisville, Kentucky, se transformaria por seus atos em um dos norte-americanos mais eletrizantes e atraentes de sua época.

Cassius Clay - Muhammad Ali
Cassius Clay – Muhammad Ali

Nos primeiros tempos como Cassius Clay, ele era freqüentemente atacado pelos jornalistas e outras pessoas, no entanto, com o passar dos anos, essas vozes ficaram praticamente mudas. Ele ganhava a vida batendo nas pessoas, mas na meia idade, passou a ser considerado um símbolo não só de coragem como também de amor, decência e mesmo de um tipo especial de sabedoria.

Muhammad Ali sofre de mal de Parkinson, uma doença do sistema nervoso que endurece os músculos e imobiliza o rosto numa máscara impassível. O controle motor degenera. A fala sofre. Algumas pessoas alucinam ou têm pesadelos.Conforme a doença avança, até o ato de engolir torna-se uma provação terrível. O Rei do Mundo continua lutando contra o mal de Parkinson. A doença, até agora, não conseguiu derrota-lo.
Nos Jogos Olímpicos de 1960, conquistou a medalha de ouro dos pesos-médios. Ao se negar a alistar-se para a Guerra do Vietnã, em 1967, por causa de suas convicções religiosas, perdeu a licença para lutar, que recuperou em 1971. Em 1981, retirou-se do boxe.

Fontes: museudosesportes.com.br e pt.wikipedia.org

+ sobre o tema

Artistas negros mandam seu recado no Dia da Consciência Negra

Este domingo (20), Dia da Consciência Negra, data que...

Onde está o Movimento Negro?

Sorrindo, e triste ao mesmo tempo, vou lendo a...

Bebê a caminho! Janet Jackson é fotografada grávida pela primeira vez

A cantora Janet Jackson, de 50 anos, foi fotografada...

Exército amplia ofensiva contra radicais islâmicos na Nigéria

Fonte: Uol-   O Exército da Nigéria aumentou ontem o...

para lembrar

Rio de Jeneiro: O Rappa

O Rappa volta a se apresentar na Fundição Progresso,...

Mano Brown faz homenagem à mãe ao receber título de Doutor Honoris Causa

Mano Brown, do Racionais MC's, recebeu nesta quarta-feira (1º) o...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=