Cidadãos? Outras Impressões da Terça

Por Leno F. Silva

Com as minhas caminhadas matutinas pela região da Paulista, Augusta, Consolação e Higienópolis, noto, a cada dia, que é expressivo o número de moradores de rua que encontram nas calçadas para o descanso noturno.

O kit de sobrevivência é basicamente o mesmo: placas de papelão, cobertor ou algo parecido e alguns apetrechos extras que varia de acordo com as necessidades de cada um. Quando o fluxo de pessoas pelos passeios públicos aumenta é sinal que o deslocamento precisa ocorrer.

Acredito que todos aproveitam o dia para perambular pelos bairros e, provavelmente, vários deles têm “moradia” fixa e serão encontrados, ao anoitecer, nos mesmos lugares, para o sono dos justos. Outro dia, na esquina das ruas Frei Caneca e Dona Antônia de Queiros, um cidadão utilizava a água “limpa” que descia pelo meio fio para lavar os pés e as poucas peças de roupas.

Na rua Dr. Penaforte Mendes está instalado um abrigo da Prefeitura de São Paulo que serve refeições diariamente. Por conta desse serviço assistencialista, em frente ao local concentra-se uma quantidade maior de moradores que passa as noites por ali. Não seria o caso de existir no mesmo local uma estrutura com camas, banheiros e um serviço de apoio a esses cidadãos?

É notório que o “baixo Augusta” é uma das áreas mais valorizadas dos últimos anos. Dezenas de empreendimentos imobiliários estão em fase de construção. A médio prazo, o perfil de comércio e de frequentadores deverá se alterar. O metro quadrado dos imóveis bateu a casa dos R$ 10.000,00, algo impensável há dez anos. É provável que esse progresso em nada altere a vida dos moradores de rua. Afinal, muitos os consideram preguiçosos, pessoas que não têm força de vontade para batalhar e lutar por um lugar ao sol.

O tipo de desenvolvimento em curso provavelmente atrairá para esses bairros outros moradores de rua, visto que, como a lei da oferta e da procura, eles buscam regiões que os permitam desempenhar no decorrer do dia alguma atividade rentável, como catar papel; pedir esmola ou vasculhar, nos lixos e nos bares e restaurantes, restos de comida. Como estamos em ano eleitoral, é muito apropriado que os candidatos a prefeito proponham soluções para um dos mais antigos problemas sociais dessa metrópole. Mas será que eles sabem da existência dessas pessoas? Por aqui, fico. Até a próxima.

+ sobre o tema

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal...

para lembrar

Racismo, este des-conhecido

por Márcia Moraes de Oliveira   Há anos...

Britânico é reconhecido como pessoa de gênero sexual neutro

O britânico Norrie Mai-Welby --que diz não se sentir...

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar a identidade dos brasileiros. A nova CIN (Carteira de Identidade Nacional) representa o fim do RG e da impressão...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo religioso" no Brasil, um dos principais órgãos da ONU que lida com a situação da...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela Justiça em uma ação criminal na história dos Estados Unidos. O veredicto, divulgado nesta quinta-feira (30),...
-+=