Cidades que encolhem

Não é à toa que Salvador, a capital mais preta, perde habitantes; é projeto

Há alguns anos, logo antes da pandemia, fui à cidade de St.Louis, no estado de Missouri, nos EUA. Fora o arco de ferro gigantesco que é o cartão-postal da cidade e fora as melhores costelas defumadas que já comi na vida, o que mais me surpreendeu ali foi a vastidão dos espaços urbanos. Avenidas enormes, mas vazias. O centro da cidade exibia um silêncio cortante típico de um feriado, mesmo sendo dia útil.

A estranha sensação pessoal, que apenas a figura sinestésica resume, encontra respaldo na realidade: St. Louis é a segunda cidade que mais “encolhe” no país: uma queda populacional de 2,4% entre 2022 e 2021, segundo o censo de lá. Cidades mais conhecidas como Boston, Nova York e São Francisco passaram por isso durante a pandemia, tendo a última encolhido 6,3% entre 2020 e 2021.

O Censo Demográfico 2022, divulgado nesta quarta-feira (28) pelo IBGE, traz com força para o Brasil o debate sobre cidades que encolhem. Nove das 27 capitais brasileiras perderam moradores entre 2010 e 2022. Notavelmente, Salvador ocupa o primeiro lugar, com queda de 9,6%, seguida pelo Rio, com 1,7%. “É um fato novo”, definiu o IBGE.

O que determina “a morte e a vida de grandes cidades” são as dinâmicas de desigualdade que fingimos não ver. Deve-se qualificar o debate sobre cidades que encolhem apontando qual a cor e a classe de quem é expulso dessas cidades e de seus centros, por quais mecanismos econômicos e quais são os instrumentos urbanísticos para revertê-los. Antes, o apartheid era o passaporte entre uma cidade e outra na África do Sul; hoje, é o preço do metro quadrado.

Não é à toa que St. Louis é metade negra; não é à toa que a capital mais preta, Salvador, encolhe enquanto as cidades vizinhas, com menos estrutura, crescem; não é à toa que o Plano Diretor de São Paulo passe ao largo de enfrentar a desigualdade, confundindo densidade construtiva com populacional, construindo um futuro, em parte já atual, de bairros brancos e caros. Não é à toa, é projeto.

+ sobre o tema

Chamada de ‘neguinha’, estudante é barrada em casa noturna em SP

Jovem ainda enfrentou problemas para registrar ofensa racial em...

Unidade do Extra usa black face na Black Friday, é denunciada e pede desculpas

Usuária das redes sociais denuncia que o supermercado na...

Senegalês tem o corpo queimado enquanto dormia em Santa Maria

Três homens jogaram fogo no colchão do imigrante, que...

Ocupação Café em Ipanema, pelo emprego de Ivonete Cândida de Oliveira

Ivonete Cândida de Paula trabalha na Padaria Ipanema há...

para lembrar

Deus é contra as cotas? Por Dennis de Oliveira

Dennis de Oliveira, MOVIMENTAÇÃO NO CÉU Movimentação no Céu. São Benedito,...

Carlos Alfredo Hasenbalg: Nota de falecimento

É com muito pesar que comunicamos o falecimento do...

A vida dos negros não importa

A vida das pessoas negras não importa, e o...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=