Cigana rouba a cena em posse de ministros

Homens em terno escuro e mulheres usando tailleur se perguntavam ontem, na cerimônia no Palácio do Itamaraty: “Quem é ela?” Em meio a dezenas de ministros, quem roubou a cena foi uma cigana que, vestida a caráter, abraçou o presidente Lula e beijou a mão da pré-candidata Dilma Rousseff (PT).

A cigana Miriam Stanescon, 63, afirmou que foi ao evento para prestigiar o novo ministro de Igualdade Racial, Eloi Ferreira de Araújo, e para agradecer a Lula. “Foi ele quem criou o Dia Nacional dos Ciganos e somos gratos por isso”, disse.

Miriam é advogada e participa do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial, coordenado pela pasta que Eloi Ferreira de Araújo irá chefiar. (SI E LG)

 

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

para lembrar

A receita de beleza de Camila Pitanga

Camila Pitanga está se desdobrando para não descuidar...

Nos EUA e no Brasil, o “mal” são sempre os outros. Nunca nós mesmos

''Nós devemos manter o 'mal' fora de nosso país!'' Por Leonardo...

Emir Sader: O dedo de Lula

A sociedade brasileira teve sempre a discriminação como...

Natal para as crianças: Roteiro de programação gratuita

Natal no Zoológico Além de passear por entre as...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...
-+=