Coloque a máscara de emergência primeiro em você 

Enviado por / FontePor Bianca Santana, do Ecoa

Foi o Cacá, Carlos Eduardo Corrêa, pediatra a quem tanto admiro e sou grata, que me lembrou como o alerta de segurança das aeronaves serviam para a vida: em caso de despressurização (ou, atualmente, de muita pressão), coloque a máscara de oxigênio primeiro em você antes de ajudar quem está ao seu lado. Não há egoísmo nisso, mas obviedade: se você deixar de respirar, não conseguirá apoiar ninguém.

Essa é uma lição importante a ativistas que lidam, diariamente, com outra obviedade: nenhuma transformação é possível a partir do indivíduo, as mudanças sociais e as lutas efetivas para que ocorram são sempre coletivas. Mas na aposta acertada de se dedicar ao todo, ao grupo, há o risco de perder o fôlego e precisar parar. Escrevo este alerta para mim mesma e para minhas companheiras e companheiros de movimento negro. A luta pelo nosso povo só será efetiva se conseguirmos nos manter vivas. Cada pessoa é tão essencial no que temos construído coletivamente, que não podemos perder ninguém. E a cada notícia de que perdemos alguém para a negligência intencional do Estado, complicada por coronavírus, além dos pêsames e da tristeza e da indignação vem também o sentimento de que a luta se enfraquece.

É preciso sobreviver ao genocídio. Desviar do tiro, afastar o vírus com isolamento, álcool 70 e máscara PFF-2, encontrar modos de não sucumbir à ansiedade, à depressão, à pressão alta. Seguir de pé para arrecadar comida para quem precisa, afinal, se tem gente com fome, dá de comer, como aprendemos com o poeta Solano Trindade. Oferecer monitoramento próximo e todo recurso possível a quem tem sintomas de covid, com agentes populares de saúde. Trabalhar pelo impeachment do governo que nos mata. Denunciar internacionalmente os abusos, as agressões, as violações de direitos e o genocídio negro e indígena. Participar de um sem fim de lives, debates, reuniões, conversas, redes, ações. Mas sem esquecer de respirar. Criando possibilidades de descanso e alegria, apesar da dureza dos dias.

Pessoalmente, conectar-me à memória de mulheres negras me nutre de ar e esperança. Em situações tão ou mais difíceis do que a nossa, elas produziram vida para si e para os outros. Evoco minha avó Polu, Esperança Garcia, Maria Firmina, Eunice Cunha e tantas de vozes e escritas insurgentes reunidas neste livro, que me orgulho de ter organizado em parceria com minha irmã Christiane Gomes, da Fundação Rosa Luxemburgo, e com Maria Mazarello, da Mazza Edições. Estava com Chris no Maranhão, em oficinas e escrita para mulheres negras a partir destes textos, quando se alastrou o vírus e precisamos nos confinar. Quanto ar há nas lembranças dos relatos de quilombolas de Santa Rosa dos Pretos (saudades, dona Dalva, Anacleta, Zica, Sabrina).

Poder pisar a terra, avistar as montanhas, comer bananas plantadas por um vizinho e tomar o leite ordenhado por outra vizinha, enquanto não tenho minha própria produção, é um dos dois maiores cuidados comigo nestes dias. O outro é trabalhar para pôr de pé um espaço de encontro, formação, acervo, memória de mulheres negras, a partir do legado de Sueli Carneiro. Sinto como se colaborasse para criar condições de acessarmos mais facilmente nossas raízes. E como são importantes as raízes no processo de respiração.

+ sobre o tema

Blogueiros pedem acesso à lista e dados dos 8.667 clientes brasileiros do HSBC

Dar acesso à lista e dados dos 8.667 clientes...

MG lidera novamente a ‘lista suja’ do trabalho análogo à escravidão

Minas Gerais lidera o ranking de empregadores inseridos na...

PCC volta às manchetes

Por Luciano Martins Costa   Os jornais de...

Janot diz que é ‘imperioso’ investigar Aécio

“Como adiante se demonstrará, o pedido que deu origem...

para lembrar

Em livro, Preta Ferreira tira o sono e convoca à luta

A ansiedade para ler "Minha carne: diário de uma prisão"...

Defensoria recomenda ao general Heleno revogar ato contra quilombolas

A DPU (Defensoria Pública da União) recomendou ao ministro-chefe...

Quilombolas e caiçaras distribuem 15 toneladas de alimentos para comunidades vulneráveis

A Cooperativa dos Agricultores Quilombolas do Vale do Ribeira...

População de rua no Brasil cresceu quase 10 vezes na última década, aponta Ipea

A população em situação de rua no Brasil aumentou 935,31% nos últimos dez anos, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base em...

Saúde mental dos idosos ainda sofre os impactos da pandemia

Após anos de enfrentamento da pandemia da Covid-19, torna-se evidente que os idosos estão entre os grupos mais afetados em termos de saúde mental. A melhoria das...

Jurema Werneck recomenda livro com visão de mulher negra diante da pandemia

Segundo a ativista, pode-se encontrar também no livro, Negra percepção sobre mim e nós na pandemia, um conjunto de cicatrizes individuais, adquiridas na pandemia...
-+=