Como a ciência sustentou a ideia de inferioridade biológica da mulher

O sexismo no estudo da reprodução humana ao longo da história

Entender como o ser humano se desenvolve no ventre materno é uma das questões que mais intrigou a humanidade. Se hoje, com muito conhecimento e tecnologia, ainda não conhecemos todos os processos do desenvolvimento gestacional, essa questão era extremamente difícil de ser respondida na antiguidade. A atuação da ciência eurocentrada, nas mãos de homens brancos ao longo dos séculos passados, foi fundamental para firmar o estereótipo da inferioridade biológica da mulher e sua participação na sociedade como produtora e criadora de filhos.

Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.), filósofo grego e estudioso de diversas áreas, dentre elas a embriologia, considerava as mulheres “homens defeituosos” cujo desenvolvimento no ventre materno havia sido encerrado precocemente. Aos fetos femininos faltaria o calor necessário para transformá-los em fetos masculinos. Quanto ao papel da mulher na reprodução, ele sustentava que, se no sangue menstrual estava a causa material para a formação do embrião, era no sêmen do homem que residia a força divina, animada e racional que daria origem à vida. A menstruação era um sêmen impuro, ao qual faltava o princípio da alma.

Para Galeno (129-217), importante médico que viveu em Roma e cujos estudos prevaleceram nas concepções ocidentais por diversos séculos, a temperatura mais alta dos homens também explicaria sua superioridade biológica. O calor, deficiente nas mulheres, seria responsável pela deformação de seus órgãos reprodutores externos e internos. Os “testículos femininos” (os ovários), pequenos e imperfeitos, dariam origem a um sêmen frio, incapaz de gerar um animal.

A ideia de inferioridade biológica da mulher também esteve presente durante os séculos 17 e 18, período intelectual fértil para a história natural. Com a construção dos primeiros microscópios, em 1677 o cientista holandês Antonie van Leeuwenhoek pôde observar os espermatozoides pela primeira vez. A movimentação deles serviu como prova de vida, presumindo a existência de uma estrutura complexa dotada de alma. Ganhava força a corrente do preformismo ou animalculismo, com a ideia de que os seres já estavam completamente formados e miniaturizados dentro dos gametas. O desenho de Nicolaas Hartsoeker, publicado em seu Essai de Dioptrique [Ensaio de dióptrica] em 1694, é a mais típica ilustração do preformismo, mostrando um ser humano curvado em posição fetal dentro da cabeça de um espermatozoide.

Mesmo depois de décadas de estudos e da demonstração de que espermatozoide e óvulo eram necessários para formar um embrião, perdurou a ideia de que o óvulo seria uma espécie de “célula passiva” à espera da entrada do mais forte e apto dos espermatozoides. Na verdade, o processo de fecundação é muito mais complexo, tendo o óvulo um papel primordial na atração do espermatozoide e no controle de sua entrada.

Na época do Iluminismo ainda vigoravam esquemas sobre a evolução dos seres vivos que mostravam as mulheres como formas embrionárias ou juvenis dos homens brancos adultos. A anatomia e a fisiologia feminina eram usadas como justificativa para associar as mulheres à esfera privada do cuidado doméstico e da reprodução, enquanto os homens desfrutavam da cultura, da política e também do fazer científico. Mesmo após muitos avanços, nos séculos 19 e 20 os médicos acreditavam que mulheres menstruadas deveriam evitar esforços mentais, pois o pensamento iria drenar as energias e desviá-las do sistema reprodutivo, causando enfraquecimento geral e podendo levar à infertilidade.

O sexismo produzido pelos homens e sustentado pela ciência durante muitos séculos ainda reverbera atualmente. Embora há mais de 50 anos saibamos que um embrião humano típico é formado por igual número de cromossomos maternos e paternos, a sobrecarga de responsabilidades na reprodução ainda recai sobre as mulheres. Por exemplo, é comum que elas façam consultas médicas e exames de saúde antes de tentar engravidar, mas raramente aconselham-se aos homens cuidados específicos pré-concepcionais.

A ciência demonstra que uma proporção semelhante de homens e mulheres pode apresentar infertilidade, e há inúmeros tratamentos e artigos científicos voltados à infertilidade masculina. No imaginário social, porém, a incapacidade de gerar filhos é atribuída sobretudo às mulheres. A ciência que colaborou para restringir o papel da mulher na sociedade precisa agora ajudar a reverter esse fato, além de divulgar que os cuidados para a reprodução são responsabilidade de ambos os sexos.

*

Rossana Soletti é professora de embriologia e história da ciência na UFRGS.

+ sobre o tema

Como é namorar alguém que é assexual?

Sophie e George são jovens, apaixonados e…assexuais. Mas um...

O restaurante nudista em Londres com lista de espera de 37 mil pessoas

Nesse novo restaurante em Londres, você tem de deixar...

Sobre o funk carioca e a cultura do estupro

Boa parte do funk é, sim, expressão do horror...

Como Hollywood está explorando o feminismo para vender ingressos (e por que ela está fazendo isso errado)

Filmes recentes tentam inserir personagens femininas aleatoriamente e falham...

para lembrar

Salário mais alto causa até separação; mulheres devem ter jogo de cintura

Às vezes é necessário para o símbolo feminino do...

A sexualidade das mulheres nas prisões

Sexualidade é assunto quilométrico. Freud tem uma coleção de...

Mulheres se unem para eleger 1ª parlamentar negra no estado de George Floyd

O estado de Minessota, nos Estados Unidos, nunca teve...

Motoristas argentinos terão de fazer curso sobre igualdade de gênero para ter habilitação

A Agência Nacional de Segurança Viária da Argentina (ANSV)...
spot_imgspot_img

Tempo para início de tratamento de câncer de mama é 3 vezes maior que o previsto em legislação

O tempo médio para o início do tratamento de câncer de mama no SUS (Sistema Único de Saúde) é quase o triplo do período previsto pela Lei...

Ação da ApexBrasil faz crescer número de empresas lideradas por mulheres nas exportações

Para promover mudança é preciso ação, compromisso e exemplo. Disposta a transformar o cenário brasileiro de negócios, há um ano a ApexBrasil (Agência Brasileira...

‘Não tenho história triste, mas ser mulher negra me define muito’, diz executiva do setor de mineração, sobre os desafios para inclusão na indústria

Diretora de relações governamentais e responsabilidade social da Kinross Brasil Mineração, Ana Cunha afirma que a contratação de mulheres no setor, onde os homens...
-+=