Defensoria é acionada por Fórum de Mulheres em Lauro de Freitas

 

No final do mês de junho, a sociedade ficou chocada com o caso da assistente social Luciana Lopo, torturada com requintes de crueldade por mais de quatro horas pelo próprio marido, o professor de educação física Adalberto França Araújo Filho. A indignação levou o Fórum de Mulheres de Lauro de Freitas a procurar a Defensoria Pública nesta terça-feira, dia 21 de julho, quando a coordenadora das Defensorias Especializadas Regionais, Firmiane Venâncio esteve reunida com o pai da vítima, membros do Fórum e com a promotora de Justiça Márcia Teixeira, coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher (GEDEM) do Ministério Público,além de outras representações da sociedade civil.

Fonte: Expressão Feminista

Por Jamile Menezes/Ascom DPE

“O Fórum nos procurou entendendo que a Defensoria Pública é uma instituição de grande importância política no combate à violência contra as mulheres”, afirmou a coordenadora das Regionais, Firmiane Venâncio. No encontro, membros do Fórum foram orientadas quanto a estratégias de ação que podem ser articuladas para que haja maior celeridade no andamento do inquérito. “As orientamos no sentido delas buscarem as instâncias de poder que estão a frente do caso, desde a delegada até o promotor de Justiça encarregado para que possam acompanhar de perto os encaminhamentos dados para a efetivação da Justiça”, pontuou Venâncio.

Com o encontro, foram fornecidas informações sobre o andamento do processo, as caracterizações dos variados delitos praticados pelo agressor e as penas previstas para cada um deles. Para a coordenadora do Fórum, Sulle Nascimento, o diálogo foi essencial. “Sabemos do histórico da Defensoria Pública no combate a este tipo de violência que acomete cada vez mais mulheres. Foi muito produtivo para nós do Fórum, que somos leigas nesta área jurídica, podermos contar com a predisposição dos organismos públicos jurídicos como a Defensoria em nos orientar quanto a este caso. Agora temos subsídios para poder acompanhar o inquérito e sabermos cobrar de quem deve ser cobrado”, afirmou a coordenadora.

Para o Fórum de Mulheres de Lauro de Freitas, com o respaldo jurídico adquirido na reunião, as mobilizações agora serão em torno da garantia de que o acusado permaneça preso. “Queremos que ele seja julgado o mais rápido possível e que o crime seja qualificado enquanto hediondo, inafiançável”, pontuou Sulle.

O Caso – Adalberto França está preso na Polinter em Salvador e é acusado de tentativa de homicídio segundo a Lei Maria da Penha, que intensificou o rigor das punições das agressões contra a mulher no âmbito doméstico. Seus advogados impetram habeas corpus, no sentido de garantir que o acusado responda em liberdade. Na próxima semana, com data ainda a ser definida, será agendada audiência com o promotor encarregado do caso. Estamos atentas ao andamento de todo este processo pois temos a certeza de que este caso não pode ficar impune”, conclui Sulle Nascimento.

+ sobre o tema

Feminicídio 2.0 – Mídias digitais, tecnologia e violência contra a mulher

As mídias digitais (Internet: redes sociais, aplicativos, sites e...

Polícia estoura clínica de aborto e prende 10 no Rio

Policiais civis da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra...

Universidade de Tóquio sob suspeita de prejudicar as mulheres nos concursos de admissão

Uma faculdade de Medicina de Tóquio está sob suspeita...

11 coisas que toda menina deveria saber, mas que a ‘Escola de Princesas’ não ensina

Uma instituição de ensino ~peculiar~ tem chamado a atenção...

para lembrar

Gênero e Raça em debate na #ArenaRio20, por Sueli Carneiro

As mulheres estiveram no centro dos debates da Arena...

Avanços e desafios para as mulheres baianas nas eleições 2014

Passada a primeira fase do pleito eleitoral e com...

Coordenada por Djamila Ribeiro, coleção Feminismos Plurais é a novidade do Justificando

Reconhecendo a importância do reconhecimento da multiplicidade de vozes,...

25 de julho: Dia da Mulher Negra terá vasta programação em Montes Claros

Definido com o intuito de alertar o mundo em...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=