Defensoria Pública oferece apoio psicológico às vítimas de racismo

Por: Sheila Guelfi

Encontros realizados quinzenalmente reestabelecem a confiança abalada das vítimas de racismo ou injúria racial

 

Encontros realizados quinzenalmente pela Defensoria Pública do DF reestabelecem a confiança abalada das vítimas de racismo ou injúria racial. O Grupo de Apoio às Vítimas de Racismo, coordenado pelo Departamento de Atividade Psicossocial (DAP-DPDF) trabalha o cidadão enviado pela Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (SEPIR/DF) para retornar à sociedade ciente de seus direitos e confiante para exercê-los como efetivos cidadãos.

Os termos diferem e atingem diretamente quem passa por esse tipo de constrangimento. Ocorre o crime de racismo quando uma pessoa, ou um grupo de pessoas, sofre algum tipo de discriminação em função da raça, cor, etnia ou origem. É o caso, por exemplo, da empresa que se nega a contratar empregados negros. Ocorre injúria racial quando alguém é ofendido em sua honra por meio de termos pejorativos de conteúdo racista.

As pessoas que forem vítimas de racismo contam com o atendimento psicológico e jurídico da DPDF. A parceria firmada entre a instituição e a SEPIR/DF funciona por meio desse grupo psicoterapêutico, que discute assuntos como a garantia de direitos e, ao mesmo tempo, trabalha a subjetividade do que é ser discriminado.

As indicações das pessoas que frequentam o grupo de apoio são feitas pela SEPIR/DF. A participação e o tempo de permanência no grupo é voluntário.

A psicóloga Sheylane Brandão ressalta que as vítimas de racismo precisam de atendimento para além de ações jurídicas. “O combate ao racismo precisa ir além da denúncia. Para promover a igualdade racial é preciso fortalecer os sujeitos que estão inseridos nesse contexto,” afirma. O grupo conta com uma equipe formada por psicólogos, assistentes sociais e estagiários.

O próximo encontro está marcado para o dia 16 deste mês, de 9h as 11h, e será realizado no Departamento de Atividade Psicossocial da DPDF (Setor Comercial Sul, Quadra 4, Edifício Zarife, 1° andar). Os interessados devem procurar a SEPIR/DF.

 

 

Fonte: Sepir 

+ sobre o tema

Projeto obriga médicos formados com recursos públicos a exercício social da profissão

Médicos formados por meio de custeio com recursos públicos,...

Lideranças de matriz africana divulgam texto orientador em plenária da III CONAPIR

Produzido coletivamente, o texto foi lido por Makota Valdina...

Festival sobre a mulher negra da África, América Latina e Caribe começa hoje em Brasília

Brasília – Mesclando debates sobre políticas públicas, literatura,...

para lembrar

Mackenzie expulsa estudante que gravou vídeo armado e ameaçou matar negros

Pedro Baleotti, eleitor de Jair Bolsonaro, divulgou um vídeo...

Meninos vítimas de racismo em hipermercado reconhecem mais um segurança suspeito de agressão

Outro funcionário do Extra já havia sido reconhecido em...

Shopping de área nobre de SP quer apreender crianças de rua e entregar para PM

Estabelecimento no bairro de Higienópolis, uma das regiões mais...

Anulação de provas do Enem gera ataques de xenofobia

OAB-CE vai analisar os comentários para decidir sobre a...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=