Delegada indicia funcionário de estande da Editora Abril na Bienal por racismo

Segundo advogado do colégio, alunas foram ofendidas em estande da Abril.

Delegada diz que funcionário negou acusações. A Abril não comentou o caso.

A delegada titular da 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes), Adriana Belém, indiciou nesta segunda-feira (12) por racismo um funcionário do estande da Editora Abril na Bienal do Livro, no Rio. O caso vai ser enviado em até 30 dias para o Ministério Público, que vai decidir se aceita ou não a denúncia. Segundo a delegada, a pena pode variar de um a três anos de prisão.

De acordo com José Carlos, professor e advogado do Colégio Estadual Guilheme Briggs, de Niterói, na semana passada, duas alunas estavam em um passeio da escola na Bienal quando o funcionário do estande negou as senhas para a palestra de um ator alegando que “não gostava de negros” e que as estudantes seriam “negras do cabelo duro”, e, em seguida, ofendeu o resto do grupo, os chamando de “negros, favelados e sem educação”. A Bienal terminou neste domingo (11).

Segundo a delegada, o funcionário, que é de uma empresa terceirizada que representa a editora no Rio e no Espírito Santo, ouvido nesta segunda negou as ofensas e se referiu às estudantes como “morenas escuras, quase negras”.

“Mas ele caiu em contradição em vários momentos, como quando disse que poderíamos requisitar as fitas de gravação do estande e depois voltou atrás dizendo que não havia câmeras no estande. Ele nega tudo, mas não se trata da palavra de uma pessoa contra a palavra de outra. Temos mais de dez testemunhas do caso. Nem a confusão no estande ele admite, mas é certo que alguma coisa grave aconteceu lá”, disse Adriana Belém.

A delegada ouviu além do funcionário acusado, o representante da Editora Abril no Rio, e duas funcionárias do serviço de atendimento ao cliente. Nenhum dos ouvidos quis falar com a imprensa. O G1 procurou a assessoria da Editora Abril que disse que não ia comentar o caso. Na semana passada, a assessoria explicou ao G1 por telefone que não distribuiu senhas para as suas palestras e que nenhum ator foi convidado pelo estande.

A assessoria de imprensa da organização da feira, na ocasião, informou que “a Bienal do Livro representa a maior festa literária do país e tem como características a diversidade e a pluralidade. Fazemos parte do movimento em prol da democratização da leitura e lamentamos se o fato relatado tenha sido provocado por um dos expositores do evento.”

O caso foi inicialmente registrado na 77ª DP (Icaraí), e agora está sendo investigado pela 42ª DP. A delegada recebeu o depoimento de dez pessoas prestados na delegacia de Icaraí.

Fonte: G1

+ sobre o tema

O Racismo Lingüistico do Brasil

Que o Brasil é um país entranhadamente racista é...

Nacionalismo está em ascensão antes de eleições europeias

Presidente da Comissão Europeia alertou contra a ascensão do...

Imigrante africano é agredido com taco de beisebol por 4 homens em SP

Agressões aconteceram na manhã da última quarta-feira (30) e...

‘Preto para ter um carro assim, só se for roubado’ diz professora racista para aposentada

HUMILHAÇÃO Sandra foi vítima de injúria racial feita por...

para lembrar

Sul dos EUA elege primeiro senador negro desde o fim da Guerra da Secessão

Eleição de Tim Scott marca um significativo contraste em...

O movimento “Black Lives Matter” organiza-se e procura definir-se politicamente

O movimento Black Lives Matter (“As vidas dos negros...

O plágio e o apagamento da intelectualidade negra

Nos últimos dias, tenho refletido muito sobre o porquê...

Mídia e periferia: estereótipos, extermínio e o mito do “cidadão de bem”

Thiago Ansel, coordenador do projeto Direito à Comunicação...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=