Denúncia de racismo cria tensão na Geografia

por Bárbara D’Osualdo

FFLCH
Uma polêmica se levantou na terça-feira passada (18) no Departamento de Geografia (FFLCH) quando alunos denunciaram o professor André Martin, chefe do Departamento, por suposto comentário racista. O caso ocorreu durante a aula de Regionalização do Espaço Mundial quando o professor falava sobre a presença das tropas brasileiras no Haiti. Segundo os alunos Martin teria dito: “Se o exército brasileiro não estiver lá [no Haiti], quem vai por ordem na macacada?”. Questionado, o docente teria se justificado afirmando que era o que o diria imperialismo norte-americano. Com a insatisfação dos alunos diante da justificativa, ele disse que o termo era utilizado “na sua época” para dizer “povão”.

O caso dividiu a opinião dos estudantes do curso. Alunos não identificados picharam a porta da sala do professor com palavras como “racista” e “otário”.

Martin emitiu uma carta aberta, em que se disse “consternado” e “na obrigação de esclarecer a todos o que realmente aconteceu” e negou a frase que está circulando nas redes sociais. Na carta ele expôs seu ponto de vista sobre a polêmica e finalizou com um pedido de desculpas: “Não tenho nenhum problema em pedir desculpas pessoalmente ao aluno que se sentiu ofendido, pois jamais tive qualquer intenção de fazê-lo. Espero honestamente que este episódio infeliz sirva ao menos como pretexto para que coloquemos o debate acerca das sobrevivências do preconceito racial no Brasil em um novo patamar”.

Os alunos presentes na aula emitiram também uma nota de esclarecimento. Nela, eles afirmam que o termo empregado pelo professor teve conotação racista. No entanto, apontam que “o enfoque e objetivo da questão não é estigmatizar um Professor ou Chefe de Departamento, e sim colocar em debate o racismo materializado estruturalmente e institucionalmente em nossa sociedade e Universidade”. Por fim, eles afirmam a necessidade de uma retratação pública e não individual, como afirmou Martin. “Não se trata de uma ofensa particular de um aluno que se indignou e se retirou da sala, pois o racismo não é algo personificado”.

Fonte: Jornal do Campus

+ sobre o tema

para lembrar

Ativista que denunciou abusos de PMs na Bahia sofre ameaças e deixa Salvador

O editor-chefe do blog Mídia Periférica, Enderson Araújo, denunciou...

Sobre racismo e suas múltiplas manifestações

O propósito desta publicação é apresentar um tipo de...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=