Depois de palestrar em NY, Alline Parreira é alvo de racismo nas redes

Alline Parreira, a brasileira que foi beneficiária do Bolsa Família e que atualmente dá palestras nos Estados Unidos, vem sendo alvo de comentários racistas em um grupo de brasileiros em Nova Iorque. À Fórum, a jovem ativista respondeu aos racistas e reafirmou sua identidade enquanto mulher negra

Por Ivan Longo, da Revista Fórum

Foto: Reprodução/ Revista Fórum

Alline Parreira, a jovem ativista negra brasileira que deu uma palestra para doutores da CUNY Unverstity de Nova Iorque (EUA) na última sexta-feira (15), vem sendo alvo de racismo em comentários nas redes sociais.

Aos seus 27 anos, a jovem, que trabalha fazendo faxina nos Estados Unidos para se sustentar, se tornou ativista social e sobreviveu muito por conta de programas sociais dos governos do PT. Ela foi beneficiada com programa Bolsa Família, com cursos de qualificação e ainda contou com uma bolsa durante o governo Dilma para viajar sozinha ao continente africano.  Em sua palestra, Alline contou sobre suas origens pobres, sua trajetória de vida e tratou de assuntos como racismo, preconceito, classe e gênero.

O espaço que Alline, com seu ativismo, vem ocupando, no entanto, parece estar incomodando a alguns brasileiros que vivem nos Estados Unidos, que destilaram comentários racistas na postagem de divulgação de sua palestra no grupo de Facebook “Brasileiros em New York (NY)”.

“Vai varrer o chão e criar piolhos naquele balaio que ela tem na cabeça”, escreveu um internauta, que foi acompanhado de outros comentários tão ofensivos ou racistas quanto. “Cara de jumenta”, postou outro. A maioria dos comentários racistas estavam ligados à aparência ou ao estilo de cabelo black power que a jovem usa.

À Fórum, Alline rebateu os xingamentos e reafirmou sua identidade enquanto mulher negra: “Tenho claro que a principal ferramenta para superar o racismo é o empoderamento, que ocorre a partir da resistência negra, reconhecimento de suas histórias, memórias, raízes e identidade. O meu cabelo não é balaio, ele é minha identidade, minha ancestralidade, ele cresce para cima porque tem raízes e ele vai crescer para onde ele quiser”, pontuou.

“Um dos motivos que possibilitam o racismo é o desconhecimento da história outro. É a falta de conhecimento da história africana que ajuda preconceituosos a disseminar ódio”, completou Alline.

A jovem contou à reportagem, ainda, que os ataques não se limitaram a ela, mas também aos programas sociais dos governos Lula e Dilma. Alline ponderou, contudo, que os comentários racistas  geraram uma reação inversa, com inúmeras pessoas a mandando mensagens de apoio. Em sua página do Facebook, ela divulgou uma nota de repúdio.

“O racismo é causa de violência, exclusão, discriminação, além do extermínio da juventude negra. As mulheres negras sofrem duplamente o preconceito causador do ódio da burguesia contra as que ocupam posições de ativista, como é o meu caso”, escreveu.

Confira a íntegra.

+ sobre o tema

As pessoas se incomodam – Por: Edson Lopes Cardoso

Para a atriz Fernanda Montenegro, em entrevista no domingo...

Jesus, se andasse por aí, levaria uma bala na cabeça por ser negro e pobre

Taí, curti. Não faz firulas, nem tenta disfarçar. Um...

Polícia mata mais do que assassinos em três regiões

Fonte: Estado de São Paulo -   As mortes em supostos...

para lembrar

Instituto Ibirapitanga lançará caderno “Branquitude: racismo e antirracismo”

O Instituto Ibirapitanga lançará o caderno "Branquitude: racismo e...

A ditadura acabou. Falta avisar a polícia

Rezam os livros de história que, quando Dom João...

Acusação de racismo contra Terry é mantida pela FA

A Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=