Desemprego fica em 6,9% em julho e é o menor desde 2002, diz IBGE

Em junho, taxa de desocupação havia caído para 7%.
Salário médio subiu 5,1% na comparação anual.

A taxa de desemprego ficou em 6,9% em julho, conforme informações divulgadas nesta quinta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa é a menor para meses de julho desde 2002, quando teve início a série histórica do instituto.

No mês anterior, junho, o índice havia ficado em 7%. Já em julho do ano passado, a taxa registrada foi de 8%.

No mês, a quantidade de desempregados ficou estável em 1,6 milhão de pessoas. Já em relação a julho do ano passado, houve queda de 11,3%. O número de pessoas ocupadas também permaneceu igual no mês, em 22 milhões. No entanto, na comparação anual, cresceu 3,2%. A estabilidade também foi registrada no número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado – em julho, foram verificados 10,2 milhões pessoas. Em relação a julho de 2009, houve alta de 5,9%.

Salários

O rendimento médio real dos trabalhadores, no geral, independentemente da ocupação, cresceu 2,2% em julho, ficando em R$ 1.452,50. No ano, o aumento foi de 5,1%.

Tipo de ocupação Salário em julho 2009 Salário em junho 2010 Salário em julho 2010
Empregados com carteira no setor privado R$ 1.323,74     R$ 1.319,53   R$ 1.352,80
Empregados sem carteira no setor privado R$ 908,61   R$ 992,57   R$ 1.062,20
Militares e funcionários públicos R$ 2.464,83   R$ 2.528,77   R$ 2.574,80
Pessoas que trabalharam por conta própria R$ 1.174,85   R$ 1.170,08   R$ 1.197,90
Fonte: IBGE

Por regiões

Entre as seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE, a maior variação da taxa de desocupação foi verificada em Recife, que passou de 8,6% em junho para 10% em julho. Na comparação com julho do ano passado, foram registrados recuos de 1 ponto percentual em Belo Horizonte, de 0,9 no Rio de Janeiro, de 1,7 em São Paulo e de 1 em Porto Alegre.

Na pesquisa, são estudadas as taxas de desocupação em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Porto Alegre.

Por setores

Em relação a julho de 2009, a população ocupada nas seis regiões metropolitanas ficou estável em todos os tipos de atividade. Já na comparação anual, houve alta na indústria extrativa, de transformação e distribuição de eletricidade, gás e água (7,1%), educação, saúde, serviços sociais, administração pública, defesa e seguridade social (4,5%) e de outros serviços (5,6%). A única queda registrada foi no segmento de serviços domésticos (-5,4%).

Em julho, o rendimento médio real dos trabalhadores teve alta em Recife (2,1%), Salvador (1,4%), Belo Horizonte (4,9%), Rio de Janeiro (2,0%) e São Paulo (2,2%). Na contramão, foi registradas queda em Porto Alegre, de 1,2%.

Em relação ao mesmo período do ano passado, todas as regiões tiveram alta. Em Recife foi de  11,7%, Salvador, de 2,3%, Belo Horizonte, de 8,4%, Rio de Janeiro, de 4,3%, São Paulo, de 4,4%, e Porto Alegre, de 6,1%.

 

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Somos todos Maju?

O que as hashtags #somostodos... mobilizam? O advento das...

E aí, 2030, conseguimos adiar o fim do mundo?

A minha provocação sobre adiar o fim do mundo...

17/09 – Tracking Vox Populi/Band/iG: Dilma tem 51% e Serra 23%

Petista mantém-se estável após período de queda, Serra segue...

Carlos Lessa: ‘cenário político é inquietante’ –

"O cenário político brasileiro é inquietante", diz Carlos Lessa Por: Eduardo...

para lembrar

Pesquisadores negros depõem na CPI da Violência Urbana em Brasília

Fonte: Jornal Ìrohin Por Jamile Menezes “Nós não nascemos...

Linhas Periféricas: registro de um novo amanhecer na periferia

Mais uma bela página na história da periferia paulistana....

Câmara dos Deputados atende a seus patrões e aprova Reforma Trabalhista

Não importa se você concorda ou não com a...

Ministra Cármen Lúcia toma posse como ministra efetiva do TSE

Fonte: JusBrasil - A ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...

CPMI dos Atos Golpistas: o eixo religioso

As investigações dos atentados contra a democracia brasileira envolvem, além dos criminosos que atacaram as sedes dos três Poderes, políticos, militares, empresários. Um novo...

Como pôr fim ao marco temporal

A tese do marco temporal, aprovada na Câmara nesta terça-feira (30), é ancorada em quatro pilares: genocídio, desinformação, atraso e inconstitucionalidade. Dos dois últimos, deve-se dizer...
-+=