Discriminação: como ensinar as crianças a não ter preconceitos?

Vale a pena ver o vídeo e pensar como se dá a construção da identidade social e como estamos tratando isso com nossas crianças.

As crianças assimilam preconceitos presenciados no dia a dia. Mesmo quando pequenas, possuem ideias preconcebidas sobre o outro, construídas de acordo com o que ouvem, veem na TV ou vivem em seu entorno. Esses pequenos preconceitos vão lentamente excluindo indivíduos e determinando grupos segregados daqueles que não se encaixam propriamente no padrão estabelecido.

@NICHOLASGITHIRI

no F5News

Partindo de uma experiência realizada pelo psicólogo social Henri Tajfel há mais de 50 anos para estudar a origem do preconceito e da discriminação, uma professora do ensino fundamental, na cidade de Quebec, Canadá, fez um pequena experiência com os seus alunos de terceiro ano para tratar a discriminação e os seus efeitos.

A proposta foi dividir a sala em dois grupos: altos e baixos. Para fazer essa separação, argumentou que pesquisas recentes indicavam que as crianças baixas eram inteligentes, criativas, rápidas e sábias, enquanto que as altas o oposto.

Algumas crianças estranharam e tentaram questionar a pesquisa: “as crianças pequenas serão grandes um dia e não é por isso que deixaram de ser inteligentes e as crianças grandes foram pequenas também um dia”.

Mas o quadro geral foi de uma divisão clara entre os baixos e os altos, principalmente porque a professora estimulava essa separação e chamava a atenção para situações em que, supostamente, confirmava as características dos altos e dos baixos. A partir daí, a discriminação começou ocorrer de forma muito rápida.

Os sentimentos das crianças dos dois grupos, suas falas, suas fisionomias, as reações são impressionantes e podem ser acompanhados no vídeo reproduzido abaixo.

O clima que se estabelece na sala é notável. Desde crianças que estavam no grupo privilegiado se sentido bem devido à sua posição até aqueles que estavam muito tristes por seus amigos estarem no grupo discriminado e ainda acompanhar o olhar daqueles que sofriam o preconceito instalado.

No dia seguinte, como planejado pela professora, a situação se inverte, mas os resultados não são exatamente os esperados…

As crianças visivelmente aprendem muitas coisas, principalmente sobre os sentimentos daqueles que são discriminados, mas se isso se perpetua e se reflete em outras instâncias de suas vidas não é possível ter claro. A experiência traz mais perguntas do que respostas.

De qualquer forma, uma coisa fica clara a todos e se traduz nas palavras de um aluno discriminado antes da experiência por estar acima do peso: “a discriminação não serve para nada, só para fazer as pessoas chorarem e ficarem com raiva”.

+ sobre o tema

ProUni 2011: Inscrições Começam em 19/01

As inscrições para o Prouni 2011 – Programa...

Bolsistas do ProUni dizem ser vítimas de preconceito

Luísa Ferreira Estudante da PUC-SP diz ter sido chamada...

Curso aborda história e culturas africanas e afro-brasileira: 80 vagas

Danilo OliveiraNúcleo de JornalismoAssessoria de Comunicação ...

Filhos recebem estímulo em casa para estudar mais

Quando pisou pela primeira vez na universidade, nem ela...

para lembrar

Alagoas tem pior educação do Brasil

Por: João Mousinho   Maceió teve a pior média...

Fuvest recebe inscrições para 10.752 vagas do vestibular 2011

A Fuvest, que seleciona alunos para a USP (Universidade...

Negro por inteiro

A Biblioteca Negra de Pelotas foi uma idéia...

Tribunal Regional Federal derruba liminar que suspendia Enem

Decisão diz que nova aplicação do Enem atrasaria vestibulares...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=