Eleições 2020: Quilombo Periférico levará para a Câmara Municipal de SP a tradição de se aquilombar

Com uma campanha abraçada por diversos setores da sociedade civil, como o movimento negro, educação popular e cultura periférica, a Chapa Quilombo Periférico levará para a câmara Municipal de SP a cultura de se “aquilombar”.

“Isso não é um projeto só de São Paulo. Isso é um projeto de nação de um povo. É muito importante que as pessoas entendem que quando a gente fala aquilombe-se é para se aquilombar. É para abrir esse gabinete para as pessoas saberem como funciona. É para politizar e trazer consciência e socialização da política para o nosso povo e para nossa quebrada”, explica Alex Barcelos, um dos integrantes do mandato coletivo.

A chapa Quilombo Periférico é composta por moradores de territórios periféricos localizados no Jardim São Luís, Campo Limpo, Sapopemba, “Esse é um mandato que tem cor, ancestralidade e raiz”Guaianases, Cidade Tiradentes e Centro.

Esse é um mandato que tem cor, ancestralidade e raiz
Alex Barcelos

O mandato coletivo chega com a promessa de inovar o fazer político na Câmara Municipal de São Paulo, pelo fato de ter representantes do mandato compromissados e engajados na luta por direitos sociais em diferentes territórios, mudando a lógica de atuação dos vereadores que tem uma atuação focada em apenas uma determinada região da cidade.

Alex enfatiza que o mandato foi construído por diversão mãos, corpos, olhos, bocas e ouvidos. “Esse é um mandato que tem cor, ancestralidade e raiz. É uma construção que só faz sentido porque ela é coletiva e em rede, com pessoas que existem e circulam por lugares que em muitas vezes são desconsiderados pelo próprio sistema”.

Quebrada, é o seguinte: põe aquela do Racionais pra tocar! O Quilombo Periférico tá na Câmara dos Vereadores de São…

Publicado por Quilombo Periférico 50020 em Segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Em post no perfil oficial do Facebook, o Quilombo Periférico pediu aos seguidores para colocar Racionais MC´s para celebrar a conquista histórica.

A gente vai escrever outra história com territorialidade, ancestralidade e feita pelo povo
Alex Barcelos

Sem depender do apoio do Governo e sem mesmo ocupar cargos na política institucional, os membros da chapa Quilombo Periférico carregam consigo a cultura política de criar soluções criativas e coletivas para solucionar problemas estruturais causados pela ausência do Estado e de políticas públicas que deveriam atender os problemas e demandas dos moradores das periferias e favelas de São Paulo.

Em 2021, quando ocorrer a posse de vereadores na Câmara Municipal de São Paulo, a chapa Quilombo Periférico buscará representar os moradores que vivem às margens da sociedade nas periferias e favelas. “Na situação econômica e política deste país e cidade se faz necessário um mandato igual ao Quilombo Periférico, que represente as margens, periferias, vielas, quebradas, favelas, com seis corpos que constroem lastro nas ruas, pisando no barro e estando próximo ao povo”, afirma Barcelos.

O educador e produtor cultural têm um histórico de atuação frente a projetos de geração de renda e trabalho para juventudes, artistas e empreendedores locais. À base dos ensinamentos da economia solidária, ele vem buscando formas de estruturar um ecossistema social que valoriza o fluxo de recursos financeiros que circulam pelos bairros e que podem gerar trabalho e renda aos moradores, que historicamente vivenciam a dura realidade do desemprego.

“A gente vai escrever outra história com territorialidade, ancestralidade e feita pelo povo, para fazer reparação histórica na cidade mais racista do país, onde se constroem praças, ruas e monumentos dos brancos racistas”, conclui o futuro co-vereador do Quilombo Periférico.

+ sobre o tema

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

Entrevista: o dinamismo de Cidinha da Silva

por Júnia Puglia    foto André Frutuôso  Em seu novo livro, “Racismo no Brasil...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

Abdias Nascimento: Eu tenho um sonho…

por: MAURÍCIO PESTANA FOTOS JANUÁRIO GARCIA ... ainda quero ver...

No Brasil, a medicina é branca e classe média – Por: Mara Gomes

Vale milhões de vezes mais a vida de um...

“Descarregar a arma”, disse PM ao levar jovem encontrado morto no Rio

Um dos dois policiais presos sob suspeita de envolvimento na...

“Quando você chama a pessoa de macaco, você está jogando toda a humanidade dela no lixo.”

Por: Maria Carolina Trevisan Emicida explica de forma direta e...

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=