Em carta-manifesto a reitoria, alunos da UFRGS cobram expulsão de doutorando indiciado por racismo

Enviado por / FonteO Globo, por Rodrigo Castro

Mais de 40 diretórios acadêmicos e movimentos sociais assinam documento enviado nesta sexta-feira; grupo pede à universidade prioridade no caso que envolve Álvaro Hauschild

Mais de 40 diretórios acadêmicos e movimentos sociais encaminharam nesta sexta-feira uma carta-manifesto à reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) na qual pedem a expulsão do doutorando Álvaro Hauschild, indiciado por racismo, e cobram prioridade ao caso. O documento também foi submetido ao Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PPG-Filosofia) e ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH).

Na carta à qual o GLOBO teve acesso, estudantes e entidades exigem um “firme e real compromisso da universidade ao enfrentamento de qualquer ato de discriminação racial” e afirmam que não basta emitir notas de repúdio. O grupo pede ainda que o processo disciplinar instaurado seja tratado com celeridade.

“Não há mais qualquer espaço, dentro ou fora da Universidade, para a repugnante e esdrúxula ideia de supremacia racial! É exaustivo e inaceitável que se aceite esse pensamento ou que se permita que ganhe espaço em nossa sociedade. Não podemos aceitar que exista ideias tão cruéis afirmando que uma ‘etnia deve ser superior a outra” ou qualquer outra concepção de que “o discurso de ódio se configure como opinião’. Isso não faz parte de uma democracia fundada em direitos fundamentais, razão pela qual não deve ser tolerado”, diz a carta.

Carta-manifesto de alunos da UFRGS pede expulsão de doutorando indiciado por racismo Foto: Reprodução

Os acadêmicos organizavam desde a semana passada um abaixo-assinado pelo desligamento de Hauschild. A mobilização contava com 2.361 assinatura até esta sexta-feira. A ideia é apresentar o documento na próxima reunião do Conselho Universitário, órgão colegiado legislador de maior poder dentro da universidade.

Em resposta à carta, o PPG-FIL afirmou que tem “tomado todas as medidas que julgamos em nosso poder a respeito do mesmo, bem como de condutas associadas anteriores”. O coordenador do programa, Renato Fonseca, diz ainda que se apresentou como testemunha por iniciativa própria após a instauração do inquérito policial.

“Diante disso, dado que todas essas ações são de conhecimento público, causou-me estranheza a exigência, na Carta Manifesto, de um posicionamento firme do PPGFIL contra a impunidade no caso, uma vez que, junto com os discentes de nosso Programa, temos agido de maneira resoluta, não de agora, para que discurso de ódio, racismo e qualquer discriminação não prosperem em nossa universidade. A exigência parece pressupor que nada foi feito de nossa parte”, escreveu.

Procurada nesta sexta-feira, a UFRGS não respondeu aos questionamentos até a publicação da reportagem. Hauschild afirmou ao GLOBO que já publicou um pedido de desculpas e que “qualquer medida em conforme a este abaixo-assinado seria prejulgada”. O doutorando também afirmou que “não cabe aos manifestantes qualquer participação”, uma vez que o assunto é investigado pela polícia.

Dossiê de alunos

Alunos da universidade já haviam denunciado o comportamento de Hauschild antes de as acusações de racismo virem à tona. Há cerca de um mês e meio, eles encaminharam um dossiê à ouvidoria da instituição, no qual constam publicações do doutorando coletadas em redes sociais e blogs.

O material foi entregue no dia 2 de agosto pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia ao Núcleo de Assuntos Disciplinares (NAD) da universidade, que recomendou ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas a abertura de um processo disciplinar. O diretor do IFCH, Hélio Ricardo Alves, afirmou que duas denúncias estão sendo investigadas.

Na ação mais recente, difundida nas redes sociais, o Centro Acadêmico de Políticas Públicas (CAPP) convocou a comunidade acadêmica da UFRGS e pessoas de fora da instituição a aderir à mobilização.

“Devido a este crime exigimos que a UFRGS, conhecida por ser tolerante e impunitiva, desligue este criminoso da instituição. Não iremos aceitar que crimes raciais sejam tratados a base de notas de repúdio, exigimos JUSTIÇA e estamos todos empenhados para que se cumpram as medidas cabíveis”, escreveu o perfil do centro acadêmico.

Entenda o caso

Indiciado pelo crime de racismo qualificado, doutorando Álvaro Körbes Hauschild, de 29 anos, era investigado pela Polícia Civil desde a divulgação de mensagens e textos escritos por ele com conteúdo ofensivo aos negros, judeus e mulheres. O relatório do inquérito já foi encaminhado ao Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP/RS), que deve decidir na próxima semana se oferece denúncia.

A investigação começou após denúncia do estudante de Políticas Públicas da UFRGS Jota Júnior, de 23 anos, que registrou ocorrência depois que sua namorada foi abordada pelo doutorando nas redes sociais.

Na conversa, Hauschild afirma que o negro “exala um cheiro típico”, “tem um cérebro programado para fazer o máximo de filhos que puder” e que “pode não ser um problema lá onde a natureza dá cabo deles”. 

Hauschild também assediou e enviou mensagens antissemitas para a namorada de um judeu, que deu entrevista ao GLOBO na condição de anonimato.

— Sobre o Holocausto: é uma questão científica. Ou tu tem evidências ou tu não tem (sic). Simplesmente não há a menor evidência até hoje; pelo contrário, há estudos mostrando que matematicamente já é um absurdo. Mas se alguém vier e me mostrar o que aconteceu e como aconteceu, eu passo a acreditar — escreveu Hauschild.

+ sobre o tema

Esta modelo branca se desculpou após sua foto com penteado afro estampar capa de revista

A revista Blackhair ficou devendo algumas explicações depois de...

Candidatos brancos se declaram negros em 2022 para manter o poder no Legislativo

Fomos educadas a nunca (nunca!) subestimar o racismo. A...

O esgotamento do modelo policial

Por Maurício Caleiro Em um intervalo de dois dias...

para lembrar

Madonna rebate críticas de racismo após publicar fotos de Mandela e Luther King

Madonna publicou na rede social imagens de personalidades como...

Após 2 anos, loja da BMW acusada de racismo é condenada no Rio

'Aqui não é lugar para você. Saia', teria dito...

BH: 80% dos casos de racismo ficam impunes

Ambientes escolares são responsáveis por mais de 60% dos...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=