Em Londres, a Europa une-se contra a Austeridade

No passado sábado reuniram-se em Londres mais de 650 pessoas na conferência Europe Against Austerity. Organizada pela Coalition of Resistance, reuniu representantes de vários países: Bélgica, Portugal, Reino Unido, Irlanda, Grécia, Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Áustria, Polónia, Suécia, Suíça, Noruega e República Checa.

Por João Camargo.Artigo 

Este fórum para unir lutas por toda a Europa, reuniu-se no momento histórico em que ocorre o maior ataque aos trabalhadores e aos povos desde o final da 2ª Guerra Mundial. O Bloco de Esquerda esteve representado neste evento por Marisa Matias, Deolinda Martin e João Camargo. Fizeram-se representar ainda vários partidos e correntes da esquerda europeia: Die Linke, Sinn Fein, European Left Party, NPA, Izquierda Anticapitalista, United Lef Alliance, CADTM, ATTAC, Transform!. A forte representação sindical incluiu a CGTP e, entre outros, os britânicos UNITE, NUT, RMT e ULU, a União Sindical francesa Solidaires, OLME da Grécia, LAB do País Basco, COBAS de Itália e Agosto 80, da Polónia.

Os debates e workshops versaram as várias vertentes que se estão a constituir neste ataque: liderados pelos cortes cegos da austeridade na vida das pessoas, fortalecem-se racismo, sexismo, homofobia, perda de perspectivas para a juventude, agravar da precariedade, destruição da educação e saúde, guerra e imperialismo, a ascensão da extrema-direita, ataques à democracia e aos direitos dos trabalhadores. A necessidade de unir os esforços ficou patente em todos os momentos, e expressou-se na conclusão de que nenhum dos problemas poderá ser combatido em um só país e que apenas no internacionalismo há verdadeira esperança de resistir consolidadamente ao ataque.

Foi evidente a ideia de que é absolutamente necessário apoiar os movimentos progressistas que se levantam por toda a Europa, com especial e mais urgente sede nas acampadas que procuram organizar o 15 de Outubro, assim como o apoio essencial aos processos de auditorias cidadãs às dívidas, como um processo de depuração e transparência sobre a realidade das dívidas públicas que tem um gigante potencial mobilizador e de derrota dos consensos fabricados.

As intervenções finais destacaram e necessidade absoluta da solidariedade internacional no combate ao chauvinismo e às fracturas construídas pelo discurso do poder, concretizada no apelo à organização de uma greve europeia concertada contra a austeridade, que una as organizações de trabalhadores com o objectivo internacional de demonstrar a unidade e solidariedade da classe trabalhadora de todo o continente contra a imposição da destruição dos direitos conquistados.

No final da Conferência foi proposta pelo Secretário da Coalition of Resistance, Andrew Burgin, e unanimemente aprovada pela Conferência, a seguinte declaração:

“Declaração da Conferência Europeia Contra a Austeridade

Esta conferência Europeia reúne-se num momento da maior urgência. Os povos da Europa defrontam-se com uma crise social, política e económica sem precedentes.

Os nossos governos estão a implementar os mais selvagens cortes nos avanços sociais desde o início do pós-guerra. Estes cortes destruirão as vidas de milhões, devastando trabalho, salários, pensões, saúde, educação e outros serviços públicos.

A crise financeira mundial de 2008 transformou-se numa crise das dívidas dos estados – os estados-nação resgataram o sistema financeiro, mas ao fazê-lo enfraqueceram seriamente as suas dívidas públicas. A Grécia encontra-se à beira do incumprimento e outros estados não estão muito distantes desta realidade.

A única solução proposta pela elite dominante é a austeridade para a grande maioria e resgates para os bancos e o sistema financeiro.

Enquanto o cidadão-comum enfrenta grandes dificuldades biliões de euros são despejados nos bolsos dos ricos. Jamais houve tamanha disparidade de riqueza entre o capital e o trabalho – entre os ricos e os pobres.

Por toda a Europa os povos estão a lutar. Estão determinados a defender as suas sociedades e a destruir a barbaridade da austeridade. O nosso objectivo é ajudar a unir estas lutas. É necessária uma frente comum europeia para defender os povos da Europa. Estamos determinados a combater todos os cortes, privatizações e ataques ao Estado Social e a construir solidariedades com resistência a estes ataques.

Assim, apoiamos a resistência dos sindicatos através de greves e outras formas de acção nas indústrias e locais de trabalho. Dizemos não às guerras imperialistas e ao sorvedouro de recursos que estas representam, dizendo sim à Segurança Social, à Paz e à Justiça.

Opomo-nos à criação de bodes expiatórios para a crise como as comunidades imigrantes, com o acirrar do racismo e da islamofobia que dividem e enfraquecem a nossa resistência. Opor-nos-emos à ascensão da extrema-direita que pretende beneficiar-se com esta demagogia.

O caminho da resposta basear-se-á na elaboração e promoção de uma estratégia económica alternativa: os bancos devem ser democratizados. A banca privada deve ser socializada e os mercados financeiros regulados. A União Europeia e os bancos centrais devem responder às necessidades dos povos e não impor programas de austeridade. Os ricos e as grandes corporações devem ser taxados. As dívidas ilegítimas devem ser renunciadas. Os credores devem ser responsabilizados. Não pagaremos a crise deles!

A estratégia económica e política deve apoiar a Segurança Social, melhorar casas, escolas e hospitais, proteger as reformas e promover uma abordagem verde aos gastos públicos – investindo em energias renováveis e transportes públicos, criando consequentemente milhões de novos empregos.

Esta conferência quer construir e consolidar os laços criados na sua preparação e estabelecer uma coordenação europeia para organizar a apoiar a resistência às dívidas e à austeridade.

Comprometemo-nos a apoiar as mobilizações de 15 de Outubro, as acções contra a dívida e as instituições financeiras internacionais de 8 e 16 de Outubro e contra a reunião do G20 que ocorrerá em Nice em Novembro. Comprometemo-nos ainda a trabalhar na organização de um dia de luta comum contra a austeridade em 2012, e no apelo a um dia de luta sindical europeu contra a austeridade.”

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Brasília negra

Antes de abrigar os principais prédios públicos do país,...

Sônia Nascimento – Vice Presidenta

[email protected] Sônia Nascimento é advogada, fundadora, de Geledés- Instituto da...

Suelaine Carneiro – Coordenadora de Educação e Pesquisa

Suelaine Carneiro [email protected] A área de Educação e Pesquisa de Geledés...

Sueli Carneiro – Coordenadora de Difusão e Gestão da Memória Institucional

Sueli Carneiro - Coordenação Executiva [email protected] Filósofa, doutora em Educação pela Universidade...

Brasília negra

Antes de abrigar os principais prédios públicos do país, a Esplanada dos Ministérios era um campo aberto onde descendentes de escravizados levavam o gado...

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos concursos públicos. A proposta de renovação apresentada pelo governo Lula e elaborada de forma interministerial tem sofrido...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos festivais de música no país, terá como uma de suas atrações, no dia 2 de...
-+=