Em São Paulo, 44% dos professores e 28% dos alunos já sofreram violência na escola

Em pesquisa realizada por sindicato com pais, professores e estudantes da rede estadual de São Paulo, jovens sugerem atividades de lazer para combater problema

Vinte por cento dos alunos admitiram já ter cometido algum tipo de violência na escola. DANILO RAMOS/RBA

São Paulo – Dados preliminares de uma pesquisa sobre violência nas escolas da rede estadual de São Paulo, que será lançada hoje (28) em um congresso do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), em Serra Negra, mostram que 44% dos professores e 28% dos alunos já sofreram algum tipo de violência dentro das instituições.

Mais da metade dos alunos (57%) consideram a sua escola violenta. Entre professores e pais, o percentual foi ainda maior: 70% e 78%, respectivamente. A maior parte dos familiares entrevistados, no entanto, não soube mencionar casos concretos, o que indica pouco envolvimento direto com a escola, segundo a pesquisa.

Oitenta e quatro por cento dos professores ouvidos e 77% dos alunos relataram ter tomado contato com casos de violência escolar no último ano. A maioria, nos três perfis, afirmou serem comuns brigas e xingamentos entre alunos e contra professores nas escolas.

Ao todo, 20% dos estudantes admitiram já ter cometido algum tipo de violência na escola. Os entrevistados consideraram que as principais vítimas da violência escolar são os próprios alunos.

Para tentar reduzir o problema, as escolas, em sua maioria, controlam a entrada e a saída dos alunos, profissionais e visitantes. Ainda assim, metade das instituições de ensino ouvidas pela pesquisa não conta com rondas escolares no entorno. Segundo a pesquisa, a mediação dos conflitos pela violência “às vezes é ensinada em casa”, uma vez que seis a cada dez pais afirmaram que acreditam que bater nos filhos seja aceitável.

Para os estudantes, a principal maneira de combater a violência é investir em projetos de cultura e lazer. Os professores acreditam que o debate seja o melhor caminho para reduzir as ocorrências. Já os pais, em sua maioria, acreditam que aumentar o policiamento ao redor da escola seja a ação mais efetiva.

Fonte: Rede Brasil Atual

+ sobre o tema

Enem terá novas inscrições em pleno carnaval

BRASÍLIA - Os alunos que não conseguiram nota suficiente...

Sisu divulga lista de aprovados da segunda etapa para 29 mil vagas em universidades públicas

O Sisu (Sistema de Seleção Unificada) do MEC (Ministério...

O movimento negro e a conferência nacional de educação

Representantes do movimento negro brasileiro participarão da Conferência Nacional...

A educação pela porrada

Por: Carlos Correia Todo ano as ações se repetem como...

para lembrar

Concedida anistia post-mortem ao educador Paulo Freire

Diante de 15 mil pessoas, entre elas 2 mil...

Pesquisadora aponta a prevenção como forma de reduzir a violência

Nas escolas, são muitos os exemplos de atitudes agressivas...

Exame da rede municipal de SP revela piora no desempenho em matemática

Mais de 75% dos estudantes tiveram desempenho abaixo do...

MEC abre edital para inscrição de tecnologias educacionais para zona rural

O  Ministério da Educação recebe, até 12 de março, inscrições...
spot_imgspot_img

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...

Contra o racismo, educação

Algumas notícias relacionadas à temática racial chamaram a nossa atenção nesta semana. Uma delas foi a iniciativa de um grupo de entidades de propor...
-+=