Em vídeo, deputado diz que ‘índios, gays e lésbicas’ são ‘tudo que não presta’

Luiz Carlos Heinze nega ser homofóbico e diz que declarações foram ditas ‘no calor dos acontecimentos

O deputado federal Luiz Carlos Heinze (PP-RS) afirmou, em vídeo gravado em novembro de 2013 e que circula na internet, que “quilombolas, índios, gays, lésbicas, tudo que não presta” fazem parte do governo da presidente Dilma Rousseff. As críticas tinham como alvo o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, e foram ditas em audiência pública no município de Vicente Dutra, no Rio Grande do Sul.

Procurado pelo iG, Heinze disse que não tem nada contra gays e lésbicas. “Não sou homofóbico. Isso [as declarações] aconteceu no calor dos acontecimentos. Tenho netos, filhos que convivem com gays e lésbicas. Vou ao cabeleireiro. Não tenho restrição”, afirmou o deputado. Sobre os índios, Heinze afirma ser a favor deles e que seu discurso se referia a um grupo de caciques que arrenda terra na região norte do Rio Grande do Sul. “Fiz denúncia [sobre esse grupo] para proteger os índios de um grupo. Esses caciques arrendam terra para branco. Eu defendo os índios, por que os direitos humanos não fazem isso?”, questionou.

Heinze, em seu discurso, também defende que os agricultores contratem segurança privada para se defender: “No Pará, eles [produtores] contrataram segurança privada. Ninguém invade no Pará porque a Brigada Militar não lhes dá guarida lá e eles têm de fazer a defesa das suas propriedades. Por isso, pessoal, só tem um jeito, se defendam! Façam a defesa como o Pará está fazendo. Façam a defesa como Mato Grosso do Sul está fazendo. Os índios invadiram a propriedade, foram corridos da propriedade”.

O deputado disse que ele próprio contratou segurança privada porque a polícia e o Estado não dão garantia para os agricultores. “Não é para matar, é para defender o que tenho”, afirmou.

Fonte: iG

 

+ sobre o tema

Os Caminhos da Sociedade Civil e o Sentido de suas Organizações e Coletivos

As manifestações brasileiras, e tantas outras pelo mundo,...

Marcha Mundial das Mulheres discute trajetória do feminismo na América Latina

Nesta terça-feira (27), as participantes discutem sobre as...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=