Erika Januza encarna atriz negra eleita a mais bonita do mundo e revela ter renegado fio crespo: ‘Passei a vida alisando o cabelo’.

Erika Januza era adolescente quando assistia a Taís Araújo como Xica da Silva na novela homônima. “Era um referencial de beleza que tinha na época. Estive uma vez com ela e não consegui falar sobre isso”, lamenta. Intérprete de Alice na novela das nove “Em família”, a bela, no entanto, agora é colocada na mesma posição da atriz.

Não por acaso, foi convidada pela coluna para reproduzir a capa da revista norte-americana “People”, que elegeu a mexicana Lupita Nyong’o, vencedora do Oscar de atriz coadjuvante este ano, como a mulher mais bonita de 2014. É a terceira vez que uma mulher negra leva o título. Antes da estrela do filme “12 anos de escravidão”, apenas Halle Berry e Beyoncé .

“Fiquei orgulhosa, mas é uma pena que ainda se faça distinção entre belezas pela cor. As pessoas dizem: ‘que negra bonita!’. Há um preconceito nisso e claro, não é legal. Mas tem o lado positivo. Ainda bem que a nossa beleza está sendo reconhecida”, argumenta ela, mais recente beldade que integra a lista das estrelas negras da TV.

De cara limpa e cabelo solto, Erika prova que não está na seleção à toa. “Sempre soube reconhecer as minhas qualidades. Sou vaidosa desde muito cedo, sempre me maquiei. Antes de eu chegar na TV tinha acesso a menos produtos. Achar uma base na cor da minha pele era impossível”, conta ela, que estreou na série “Suburbia”, há dois anos. Foi por causa do papel, aliás, que ela passou a usar os fios naturais depois de anos lutando contra os fios crespos. Passei a minha vida inteira alisando o cabelo. Aprendi a gostar dele assim”.

Apesar de ter sofrido o preconceito (“tive namorados que não queriam me apresentar para a família por ser negra”, recorda-se), Erika não gosta de levantar bandeiras. Questionada sobre os nomes que vem à cabeça quando pensa em mulher bonita cita representantes de padrões distintos: Cris Vianna, Juliana Paes e Ana Hickmann. “Elas são ‘grandes’, têm porte”, justifica, entregando que a sua única “neura” em nada tem relação com a cor de pele: “Era magra! Tinha que usar duas calças para disfarçar a perna fina”.

erika.jpg erika2.jpg erikatratada erikatratada1 erikatratada2

Foto: Marcelo Theobald

Produção: Rita Moreno / Beleza: TonReis / Erika veste: WG, Botanopé, Marias&Marias e Superbonita

Fonte: Extra

+ sobre o tema

Eventos promovem feminismo negro com rodas de samba e de conversa

"Empoderadas do Samba" ocupa espaço ainda prioritariamente masculino e...

Dandara: ficção ou realidade?

Vira e mexe, reacende a polêmica sobre a existência...

Michelle Obama está farta de ser chamada “mulher revoltada de raça negra”

“Uma mulher revoltada de raça negra”. Michelle Obama está...

A banalização da vida diante da cultura do abandono e da morte

O ano de 2017 expondo as vísceras da cultura...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...

Erika Januza relata discriminação racial durante compra em loja

Atriz, no ar como Raquel em 'O Outro Lado...

Igreja continuará satanizando direitos das mulheres? por Fátima Oliveira

O papa Francisco, num mesmo dia, 20 de setembro,...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=