Guest Post »

Ex-CEO do Grammys alega discriminação e corrupção na premiação

Deborah Dugan alega que o Grammy é atormentado por uma cultura de discriminação racial e baseada em gênero, e que artistas do Rap e Rnb foram marginalizados pela corrupção dos eleitores.

Por Ruan Fellipe, do Rapmais

Deborah Dugan (Foto: Mike Segar/Reuters)

Deborah Dugan, ex-presidente e CEO da Academia Nacional de Artes de Gravação que foi demitida de seu emprego no início desta semana, alegou que a Academia de Gravação e seu principal evento, o Grammy Awards, estão repletos de questões profundas, incluindo corrupção, encobrimento casos de estupro e má conduta sexual e uma mentalidade avassaladora de “clube dos meninos”.

Em uma queixa arrepiante registrada na Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego pelo advogado de Dugan, Douglas Wigdor, Dugan alega que ela foi assediada sexualmente pelo ex-membro do conselho e presidente do conselho do Grammys. Ela também afirma que o conselho negou o fato de que o ex-CEO do Grammys Neil Portnow, que supostamente foi deposto por comentários misóginos que ele fez sobre artistas do sexo feminino, na verdade foi demitido porque ele estuprou uma mulher.

Em outra parte de sua queixa, Dugan afirma que o Grammy Awards é atormentado por uma corrupção significativa dos eleitores, levando a uma super-representação dos vencedores de prêmios para homens e brancos. De acordo com a reclamação, os comitês de revisão de nomeação de categoria – que revisam as principais seleções de votação que foram votadas pela Academia de 12.000 membros – são influenciados regularmente pelo conselho do Grammys, que promove nomeações para artistas que eles querem apresentar na cerimônia, tenha relações com, ou ambos. “De fato, não é incomum que artistas que tenham relacionamentos com membros do conselho e que estejam no final da lista inicial de 20 artistas acabem recebendo indicações”, afirma a queixa.

Continue lendo aqui

Related posts