FHC falta com respeito a Dilma, diz Lula

Para presidente, antecessor está prejulgando a ministra ao fazer ataques sem conhecê-la e sem esperar o debate de campanha
Apesar de Lula afirmar ter sugerido a Dilma que não respondesse às críticas, ela fez ataques indiretos ao tucano em evento em Goiás


O presidente Lula chamou ontem de “falta de respeito” os recentes ataques de seu antecessor, o tucano Fernando Henrique Cardoso, à pré-candidata petista à Presidência da República, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil).

Segundo o presidente, o tucano não conhece a ministra para criticá-la e deveria usar a sua formação intelectual para respeitá-la. “Acho uma falta de respeito do ex-presidente da República ficar criticando a Dilma. Primeiro, porque ele não a conhece, segundo porque seria extremamente importante que ele esperasse começar a campanha, para ele poder vê-la fazer os debates e para poder fazer julgamento”, disse Lula, ao lado da ministra, durante entrevista a rádios em Goiânia.

O tucano iniciou uma série de críticas ao governo Lula e à ministra em um artigo no final da semana passada no qual afirmou que Lula “enuncia inverdades” e desafiou os petistas a fazerem comparações “sem mentir” e “sem descontextualizar”. Depois, dia 8, em evento em São Paulo, disse que Dilma “pode até vir a ser, mas por enquanto ela não é líder. Por enquanto, é reflexo de um líder”, afirmou, referindo-se a Lula.

Anteontem, o jornal americano “Miami Herald” publicou entrevista na qual FHC chama Dilma de “autoritária”, “dogmática”, uma radical esquerdista que “vai ter dificuldades” para vencer José Serra (PSDB).

Para Lula, os ataques têm a motivação do “medo de cair no esquecimento”. “Então, uma forma de você voltar a ser [lembrado] na política é você arrumar um inimigo para criticar.”

Questionado se a formação de FHC deveria influenciá-lo neste momento, o presidente afirmou: “Acho que [a formação] deveria contar, pelo menos para a educação, ou seja, para respeitar as pessoas”.

Na entrevista de meia hora a duas rádios locais, Lula disse ter sugerido à ministra que não responda aos ataques do tucano. “Não tem por que responder, deixa ele fazer as críticas, porque eu acho que ele está baixando muito o nível para um homem que tem a formação intelectual que ele tem.”

No entanto, em discurso de improviso na cerimônia de inauguração de parte das obras de uma barragem (restam ainda adutoras e estação de tratamento de água), Dilma atacou indiretamente FHC.

Numa referência aos governos anteriores, disse que a população “não tinha infraestrutura social” e “luz elétrica”.

Segundo ela, foram décadas de “abandono, descaso e desinteresse”. Ao iniciar sua fala, a ministra petista foi saudada aos gritos de “um, dois, três, quatro, cinco, mil, Dilma presidente socialismo no Brasil”.

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito...

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o...

para lembrar

Seminário sobre a guerra às drogas e os 130 anos da abolição da escravatura acontece em São Paulo

Evento reúne ativistas, pesquisadores, três convidados internacionais dos EUA,...

Entidades criticam Alckmin: É boicote à redução da conta de luz

A decisão do governo Alckmin de não aderir à...

Discurso polêmico de Lula no Maranhão

"Meus queridos companheiros e companheiras do estado do Maranhão,...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação das ruas são os caminhos mais efetivos para enfrentar a extrema direita. Difícil é encontrar quem...

63% dos municípios do país não realizam concurso para professor há mais de 5 anos

Cerca de seis a cada dez cidades do país estão há mais de cinco anos sem realizar concurso público para contratar professores para as escolas municipais. A...

Datafolha: Maioria acha que faltam vereadores negros e mulheres

O número de mulheres e negros nas Câmaras Municipais ainda é considerado insuficiente pela maioria dos eleitores de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, mostra pesquisa Datafolha feita nas...
-+=