Filme resgata a história do primeiro palhaço negro da França

‘Chocolate’, dirigido por Roschdy Zem e interpretado por Omar Sy, refaz a trajetória de Rafael Padilla, morto em 1917

Por Xandra Stefanel Do Brasil de Fato

Chocolate foi a “estrela negra” das artes parisienses durante mais de duas décadas e o primeiro artista negro a ficar famoso na França. Baseado no livro do historiador francês Gérard Noiriel, o longa-metragem Chocolate, que resgata a história do de um escravo que encontra a fama e o esquecimento devido à cor de sua pele, estreia nesta quinta-feira (21) nos cinemas brasileiros.

Interpretado por Omar Sy, astro francês do filme Os Intocáveis, Chocolate foi o personagem mais famoso de Rafael Padilla, que nasceu em Cuba em 1868 e foi vendido como escravo ainda criança. Anos depois, ele consegue fugir e é encontrado nas docas por um palhaço que o coloca nas suas apresentações. De cativo, a trabalhador rural e mineiro, Rafael conhece o show biz e a glória em números feitos com o seu parceiro, o palhaço George Footit, interpretado pelo suíço James Thierrée, neto de Charlie Chaplin, que, além de ator, é também dançarino, acrobata e músico.

Juntos, eles faziam o público rir explorando estereótipos racistas predominantes na época. Piadas e humilhações impensáveis nos dias de hoje eram até então consideradas absolutamente aceitáveis e engraçadas: a caricatura do negro estúpido, macaco e a ideia de que mereciam apanhar quietos foram durante muito tempo os temas das esquetes feitas por Chocolate e Footit.

Depois se apresentarem para a elite e a burguesia francesa, Rafael começa a refletir sobre os papéis que fazia. “A história de Chocolate me tocou. Nascer escravo, fugir e se tornar um artista é um percurso inacreditável. Imagina a dose de coragem e trabalho que ele precisou ter para chegar lá. Achei igualmente interessante a história de sua chegada ao sucesso e de sua queda. Chocolate fazia rir através dos estereótipos que havia sobre os negros. Quando esses estereótipos começaram a ser questionados pela sociedade, as pessoas não o achavam mais engraçado. Isso foi bom para todas as vítimas de racismo, mas de uma certa forma, foi ruim para ele, e ele caiu no esquecimento. Chocolate era um artista. Queria que sua vida, seu trabalho e seu talento fossem reconhecidos”, afirma o ator Omar Sy, que teve de ensaiar durante quatro semanas com atores circenses para interpretar o personagem.

Assim como Os Intocáveis, protagonizado por Sy e também baseado em uma história real, Chocolate é um filme feito para grandes públicos. Bem dirigido, bem fotografado e com um roteiro bem costurado, o filme acaba deixando uma importante reflexão sobre o presente: “Chocolate conta a história de uma dupla que se encontra, cria junto e que a vida separa. Mas conta também a história da emancipação de um homem – Chocolate – que descobre a vida, se torna um adulto, conhece a maturidade e também certa amargura. O filme também conta a história da França. Sem apontar culpados nem fazer acusações. Chocolate marcou a sua época e foi esquecido. Ele não foi o único, e contar a sua história nos permite conhecer melhor o nosso passado. Sempre achei que conhecer o passado é essencial para compreender o presente”, declara o diretor francês de origem marroquina Roschdy Zem.

A única questão mal resolvida é que os problemas pessoais que Rafael Padilla passa a ter – o alcoolismo e a vida desregrada – acabam pesando tanto quanto o preconceito da sociedade francesa na derrocada do ator rumo ao esquecimento. Ele morreu sem sorrisos, sem aplausos e sem vintém no dia 4 de novembro de 1917, em Bordeaux, na França.

Chocolate

Direção: Roschdy Zem

Elenco: Omar Sy, James Thiérrée, Clotilde Hesme

Gênero: Drama

País: França

Ano: 2016

Duração: 110 minutos

 

+ sobre o tema

Gana, mais uma vez, ‘salva’ o continente africano em um Mundial

Antes de iniciar a Copa-2010, a expectativa era...

13 de maio é dia de encontro marcado com Carlos Moore, em Alagoas.

Por: Arísia Barros Charles Moore Wedderburn, conhecido no...

Reformas estão 20 anos atrasadas, diz compositor

Para Pablo Milanés, irmãos Castro têm de fazer transição...

para lembrar

Livro de História e Cultura Afro-brasileira vence em 1º lugar o mais importante prêmio literário do Brasil

História e Cultura Afro-brasileira Por Juliana Dias Entre os 21 livros...

Abolicionista negro será reconhecido pela OAB

Luiz Gonzaga Pinto da Gama, abolicionista negro que libertou...

Estudantes africanos criam sabonete capaz de evitar a malária

Uma dupla de estudantes africanos criou um sabonete capaz...

Na zona leste, Mostra Motumbá discute feminismo, questão racial e LGBT

Iniciada em novembro e com programação até março de...
spot_imgspot_img

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Obrigada Shirley

É com muita tristeza que compartilhamos a notícia do falecimento da Shirley Villela, nossa companheira e amiga, tecedora da Redes da Maré, de 2013...
-+=