Governo Bolsonaro corta R$ 3,3 bilhões de recursos para tratamento de Aids

Ao todo, foram 12 programas do Ministério da Saúde atingidos. O corte teria como objetivo reservar dinheiro para o orçamento secreto em 2023

O Ministério da Saúde sofreu um corte em 12 programas da pasta promovido pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). Ao todo, as perdas chegam a R$ 3,3 bilhões. Serão afetados programas que distribuem medicamentos para tratamento de Aids, infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e hepatites virais. O objetivo da medida seria reservar dinheiro para o orçamento secreto em 2023. A informação é do Estado de São Paulo. 

Na comparação entre os orçamentos propostos para 2022 e o próximo ano, o ministério perdeu R$ 407 milhões. O Boletim de Monitoramento do Orçamento da Saúde revela quanto cada programa perdeu (veja lista abaixo). O documento é preparado pela equipe do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) e da associação filantrópica Umane.

O “Atendimento à População para Prevenção, Controle e Tratamento de HIV/AIDS, outras Infecções Sexualmente Transmissíveis e Hepatites Virais Total” faz parte da assistência farmacêutica no SUS. O dinheiro é usado para compra, produção e distribuição de medicamentos voltados para o tratamento de pessoas com HIV, como antirretrovirais, e demais doenças.

Impacto nas políticas públicas

De acordo com dados do Boletim Epidemiológico Especial HIV/Aids de 2021 foram registrados 13.501 no ano passado. Segundo o documento, especialistas do ministério afirmam que há uma diminuição de casos nos últimos anos. Porém, suspeitam que exista também uma subnotificação, já que profissionais da saúde foram direcionados para atuar no combate à pandemia de COVID-19.

O Boletim de Monitoramento do Orçamento da Saúde afirma que, se os cortes não forem revertidos, “poderão gerar agravos à ações fundamentais do Sistema Único de Saúde (SUS)”. As entidades sustentam que houve cortes em outras áreas do ministério, mas o foco da pesquisa foi naqueles que tiveram as maiores reduções, com impacto nas políticas públicas de saúde.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que está “atento às necessidades orçamentárias e buscará, em diálogo com o Congresso Nacional, as adequações necessárias na proposta orçamentária para 2023″. A votação da Lei Orçamentária Anual de 2023 deve acontecer até dezembro.

Confira a lista dos programas atingidos pelo corte:

Implementação de Políticas de Promoção à Saúde e Atenção a Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) – R$ 3,8 milhões

Programa Médicos pelo Brasil – R$ 366 milhões

Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação em Saúde – R$ 297 milhões

Alimentação e Nutrição para a Saúde – R$ 43 milhões

Educação e Formação em Saúde – R$ 76 milhões

Pró-Residência Médica e em Área Multiprofissional – R$ 922 milhões

Sistemas de Tecnologia de Informação e Comunicação para a Saúde (e-Saúde) – R$ 206 milhões

Implantação e Funcionamento da Saúde Digital e Telessaúde no SUS – R$ 26 milhões

Promoção, Proteção e Recuperação da Saúde Indígena e Estruturação de Unidades de Saúde e Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) para Atendimento à População Indígena – R$ 910 milhões

Atenção à Saúde de Populações Ribeirinhas e de Áreas Remotas da Região Amazônica – R$ 10 milhões

Atendimento à População para Prevenção, Controle e Tratamento de HIV/AIDS, outras Infecções Sexualmente Transmissíveis e Hepatites Virais Total – R$ 407 milhões

Implementação de Políticas para a Rede Cegonha e Implementação de Políticas para Rede de Atenção Materno Infantil – R$ 28 milhões

Fonte: Boletim de Monitoramento do Orçamento da Saúde, produzido pela equipe do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) e da associação filantrópica Umane

+ sobre o tema

Médicos fazem laqueadura em mulher grávida

A cirurgia foi realizada em outubro na cidade de...

Deises e Leilanes: abandonadas sem vale-táxi e SAMU-cegonha, por Fátima Oliveira

É cruel a assistência ao parto em muitos recantos...

Dos 32 países da Copa, Brasil foi quem mais reduziu mortalidade infantil, diz estudo

Entre os 32 países participantes da Copa do Mundo,...

Brasileiro consome mais que o dobro do sal recomendado pela OMS

Jefferson Puff Apesar do alardeado resultado de um acordo entre...

para lembrar

Médicos fazem laqueadura em mulher grávida

A cirurgia foi realizada em outubro na cidade de...

A epidemia das cesáreas brasileiras chega ao Congresso

Mulheres em ato pela humanização do parto, em 11...

Mais médicos, por favor. E mais rápido

por : Mauro Donato Dois enfermeiros, um com as mãos no...

Tabu nas campanhas eleitorais, aborto é feito por 850 mil mulheres a cada ano

Interrupção da gravidez é quinta maior causa de morte...
spot_imgspot_img

Seminário promove debate sobre questões estruturais da população de rua em São Paulo, como moradia, trabalho e saúde

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...
-+=