Grandezas e misérias das redes sociais

Tem-se atribuído às redes sociais a virulência que atualmente se observa no debate público de numerosos países. Atribuição a meu ver acertada, contanto que não transformemos as redes no único vilão.

Por Bolívar Lamounier, do ISTOÉ

O sociólogo e cientista político Bolívar Lamounier (Foto: Filipe Redondo)

A revista norte-americana The Atlantic dedicou a esse tema todo o seu número de dezembro. Referindo-se só aos Estados Unidos, o editor-geral da revista, Jeffrey Goldberg, abriu a discussão com um esplêndido artigo intitulado “A nation coming apart” (Uma nação em frangalhos, em tradução livre). Entre as possíveis causas desse fenômeno ele cita as deficiências estruturais do sistema político, a tribalização da política — causada por níveis patológicos de desigualdade social — e a tenaz persistência do racismo. Goldberg conclui: “não sabermos mais quem somos como povo e não temos mais o sentimento de propósito coletivo”.

Situar essa questão no contexto do debate sobre as redes sociais pode nos trazer — como veremos em seguida — um paradoxal alívio, mas também a certeza de que robustecer as democracias hoje existentes não será tarefa fácil.

O alívio é que a virulência de que estamos falando tem a ver com a realidade nua e crua das sociedades atuais e não da bicentenária utopia da “democracia direta”. Desde que Jean-Jacques Rousseau publicou “Do contrato social”, em 1762, centenas de ideólogos socialistas e anarquistas acreditaram que a humanidade caminhava para uma era de “transparência”, na qual todos os cidadãos teriam uma boa compreensão das causas dos conflitos sociais e poderiam facilmente formar os consensos necessários ao equacionamento destes. A dificuldade era como estabelecer a indispensável proximidade entre dezenas ou centenas de milhares de indivíduos. Pois então, esse problema a internet resolveu. Hoje podemos nos comunicar de um lado ao outro do planeta instantaneamente e a custo praticamente zero. Mas o que estamos presenciando não é a dissolução e, sim, a crescente virulência dos desacordos.

Segue-se que a única democracia possível é a representativa, mas a cada dia constatamos que praticá-la não é fácil. Por toda parte, os legislativos e partidos se encontram fragilizados (e disto o Brasil é um egrégio exemplo). Muito além das redes sociais, precisamos compreender por que, na cúpula dos três Poderes, estamos presenciando a perda da antiga ideia aristotélica de missão e dedicação ao bem comum, sem a qual a própria noção de política perde seu sentido.

A internet resolveu o impasse da comunicação direta, gratuita e instantânea, mas também escancarou as discordâncias que minam a democracia

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Grupos de periferia se articulam em São Paulo para defender democracia e Dilma

Após violência contra militantes de esquerda em manifestações, Cooperifa...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

Movimento negro cobra auxílio emergencial de R$ 600 e vacina para todos pelo SUS

Nesta quinta feira (18), a Coalizão Negra por Direitos,...

para lembrar

LITERATURA: 5º FAN 2009

OMO-OBA: HISTÓRIAS DE PRINCESAS Kiusam Oliveira OS NOVES...

Edgar Morin: demônio é sempre o outro

Morin filósofo, sociólogo, antropólogo e historiador e autor de...

Combate à desigualdade exige mudanças estruturais

Oxalá em 2012 haja maior participação popular nas mobilizações...

Produção de Madonna cancela encontro com AfroReggae, diz coordenador

Fonte: Folha OnLine-O coordenador da ONG AfroReggae, José Júnior,...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=