Inspirado em Mandela, começa Fórum Mundial de Direitos Humanos

Na abertura, ministra Maria do Rosário lembrou que “legados da ditadura” explicam a “forma como a polícia aborda negros e pobres, forjando autos de resistência”

Por Igor Carvalho, de Brasília

Com um minuto de silêncio em homenagem ao líder sul-africano Nelson Mandela, começou o Fórum Mundial de Direitos Humanos, nesta terça-feira (10), em Brasília. “Que esse fórum se inspire em seu exemplo. Um homem que uniu os contrários, ao invés de alimentar ódio e separação”, afirmou o presidente em exercício, Michel Temer, durante sua breve fala na abertura.

O embaixador da África do Sul no Brasil, Mphakama Mbete, recebeu um buquê de rosas brancas das mãos da deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ). “Mandela contribuiu imensamente para a promoção da paz na África do Sul. Ele é lembrado pela proteção e promoção dos direitos humanos e pela equidade entre todos”, afirmou o chanceler.

Entusiasmada com o evento, que é realizado pela sua pasta, a ministra da Secretaria dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, apresentou o propósito do fórum. “Temos que trabalhar juntos para solucionar problemas como homofobia, a opressão contra a mulher, além da opressão contra os negros”, afirmou. A ministra lembrou que os “legados da ditadura” explicam a “forma como a polícia aborda negros e pobres, forjando autos de resistência. “Se falamos de inclusão para o mundo, temos que buscar inclusão no Brasil”, finalizou Maria do Rosário.

Enquanto discursava o representante na América do Sul do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH), Ameringo Incalcaterra, um grupo de indígenas interrompeu a solenidade para protestar contra os “500 anos de genocídio”, como diziam em seus cartazes.

FMDH

mesa2-300x179

O evento, que comemora os 65 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, ocorrerá até a próxima sexta-feira (13) e os encontros estão divididos em três eixos temáticos: “Os direitos humanos como bandeira da luta de povos”; “A universalização de direitos humanos em um contexto de vulnerabilidades”; e “A transversalidade de direitos humanos.”

O FMDH traz ao Brasil mais de 30 debatedores de diversos países, entre eles o líder indígena Guarani Kaiowá, Tonico Benites, o cientista social Pablo Gentili (Argentina), a procuradora Ela Wiecko, a política e ativista Aruna Roy (Índia),o economista Márcio Pochmann, Enriqueta Estela Barnes de Carlotto (Argentina), uma das avós da Plaz de Mayo, a médica e ativista dos direitos humanos, Hawa Abdi (Somália), o vice-presidente colombiano Angelino Garzón, entre outros. De última hora, o escritor paquistanês Tariq Ali cancelou sua participação no FMDH.

Igor Carvalho está no Fórum Mundial de Direitos Humanos a convite da organização

Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

Conheça a luta de famílias pobres afetadas pelo Zika no Supremo Tribunal Federal

Maria Carolina e Joselito vivem em um sítio em...

Instituto Rio Branco lança edital para 30 vagas de diplomata

O salário é de R$ 12.962,12. Candidato deve ter...

Estudo relaciona trabalho escravo com pobreza e desmatamento no país

O trabalho escravo ainda existe no Brasil, é produto...

Maria do Rosário defende ‘novo modelo’ para as polícias

Ministra volta a cobrar federalização das investigações sobre crimes...

para lembrar

spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=