Longa vida aos pesquisadores negros

Associação que completa 23 anos auxilia o Brasil a enfrentar o racismo e o preconceito

Seguindo uma tradição que vem desde 1980, lideranças e pesquisadores(as) negros se reuniram em Maceió e em União dos Palmares (AL), em novembro, e subiram a Serra da Barriga como parte das ações do 4º Copene Nordeste (Congresso de Pesquisadores Negros), que trouxe, em 2023, o tema “Duas décadas das ações afirmativas: o legado de Palmares e o futuro das políticas públicas”.

A Ufal (Universidade Federal de Alagoas), a Uneal (Universidade Estadual de Alagoas) e o Ifal (Instituto Federal de Alagoas) receberam durante cinco dias, entre 11 e 15 de novembro, aproximadamente 2.000 pesquisadores(as), professores(as), estudantes universitários(as) e do ensino básico, técnico e tecnológico federal, além de professores(as) e estudantes das redes de educação básica para refletir sobre a importância das políticas de ações afirmativas no Nordeste, avaliando os desafios e avanços de tais políticas para a população negra na região.

Apresentação de trabalho durante o 4° Congresso de Pesquisadores Negros do Nordeste, em Maceió – Copene 2023

Longa vida à ABPN (Associação Brasileira dos Pesquisadores Negros), que em 2023 completa 23 anos e vem fomentando esse aquilombamento, que acontece nas cinco regiões do país. A ABPN, instituição fundamental para o avanço da democracia no Brasil, vem defendendo a pesquisa acadêmico-científica e congregando pesquisadores(as) que se debruçam sobre temas que envolvem as populações negras no Brasil, em particular os pesquisadores negros. Sem dúvida, é uma instituição que auxilia o Brasil a enfrentar o racismo, o preconceito e a discriminação racial, priorizando a formulação, a implementação, o monitoramento e a avaliação das políticas públicas para uma sociedade justa e equânime.

Também neste novembro de 2023, num evento em Brasília, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, anunciou um pacote de ações do governo federal focado em igualdade racial, destacando 13 ações, entre elas:

– Tombamento de quilombos e a regularização fundiária de áreas quilombolas;

– Qualificação do atendimento psicossocial para familiares de vítimas de violência;

– Reconhecimento do hip-hop como referência cultural brasileira;

– Investimento em pesquisa, monitoramento e avaliação de dados sobre ciganos, quilombolas, povos de terreiro com foco em políticas públicas para esses grupos.

São esforços da sociedade civil organizada, dos governos e das universidades no sentido de assegurar que a democracia se fortaleça, uma vez que não há democracia onde impera a discriminação econômica, política, social, religiosa, de identidade de gênero e tantas outras.

Na contramão de tantos esforços para tornar o Brasil mais equânime e democrático, em 2023, o governo do estado de São Paulo reduziu o orçamento de câmeras corporais da Polícia Militar e realocou parte dos recursos destinados à implementação do Programa Olho Vivo para ações de polícia ostensiva, impossibilitando a aquisição de novos equipamentos, o que resultou em aumento da violência. O Programa Olho Vivo, implementado pela PM do estado em 2020, objetivava reduzir os níveis de letalidade e vitimização policial e foi bem-sucedido nesse sentido.

Alguns batalhões militares passaram a utilizar as câmeras operacionais portáteis (COPs), acopladas às fardas dos agentes, e foi constatado que houve redução de 76,2% da letalidade nesses batalhões que utilizaram o equipamento, entre 2021 e 2022, segundo dados divulgados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O número de adolescentes mortos em intervenções de policiais militares em serviço caiu 66,7%, e o número de PMs mortos em serviço também foi reduzido, passando de 18, em 2020, para 4, em 2021, e 6, em 2022.

Fica difícil compreender a justificativa do governo paulista para não investir nesse programa, já que a segurança pública é um dos maiores problemas apontados pela população brasileira.

Num estado onde 4 em cada 10 pessoas são negras, por que não interessaria ao governo fomentar um programa que interrompe uma letalidade focalizada nessa população?

+ sobre o tema

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um...

para lembrar

Reparação da população negra por meio da tributação

É bem-vinda a série de manifestações do campo progressista...

“O grande desafio é ampliar a presença de mulheres negras nas empresas”

Diretora do Centro de Estudo das Relações de Trabalho...

Negros representam 28,9% dos alunos da pós-graduação

Para a doutoranda em comunicação Kelly Quirino, no Brasil...

Um recorde de candidaturas negras

Foi manchete na grande mídia que, nas eleições de...
spot_imgspot_img

Valores de sociedades tradicionais africanas são imprescindíveis para educar e humanizar

"Coube ao Ocidente avançar na militarização e na tecnologia, mas caberá à África humanizar o mundo." Pode-se dizer que a frase de Nelson Mandela, registrada...

Contra o racismo, educação

Algumas notícias relacionadas à temática racial chamaram a nossa atenção nesta semana. Uma delas foi a iniciativa de um grupo de entidades de propor...

Documentário sobre bairro ‘japonês’ de São Paulo resgata memória negra

Com lançamento previsto para breve, na cidade de São Paulo, o documentário "Liberdade não é só Japão", de Alexandre Kishimoto, celebra, segundo seu diretor,...
-+=