Mães com idades entre 21 e 40 anos são as principais vítimas de feminicídio no RJ

Levantamento da Defensoria Pública aponta que ex e atuais companheiros são os principais responsáveis pelos crimes

Por Clívia Mesquita, Do Brasil de Fato

Imagem de uma escadaria com caixões de papelão e velas nas escada
Em 37 dos 107 casos de feminicídio analisados, os agressores não aceitaram o término do relacionamento (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Mães entre 21 e 40 anos, atacadas em casa com faca ou a tiros, à noite ou de madrugada pelos ex-namorados, companheiros ou maridos. Esse é principal perfil das mulheres vítimas de tentativa de feminicídio ou feminicídio consumado no Rio de Janeiro, segundo levantamento da Defensoria Pública do estado (DP-RJ).

“Os dados deixam claro que as vítimas de feminicídio são alvos de pessoas próximas, com quem mantiveram ou mantêm relacionamento amoroso, e sofrem de situações de violência em momentos e locais em que se encontram mais vulneráveis”, resume a diretora de Estudos e Pesquisas de Acesso à Justiça, Carolina Haber.

A pesquisa, que foi realizada a partir da análise de processos judiciais envolvendo casos de feminicídio, constata que a maioria das vítimas já havia relatado episódios anteriores de violência doméstica. No entanto, as vítimas deixam de fazer o registro formal da ocorrência “em razão de medo ou coação praticada pelo réu”, como explica a coordenadora de Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria, Flavia Nascimento.

“O objetivo primordial dessa pesquisa é compreender as circunstâncias que envolvem a prática do feminicídio, especialmente no que se refere à realidade da mulher vítima desse tipo de violência”, acrescenta a defensora pública.

Um cruzamento de dados demonstra ainda que agressões que terminam com a tentativa ou o assassinato da vítima têm pouco a ver com o tempo de relacionamento do casal. Alguns haviam sido iniciados um mês antes do crime, outros tinham décadas de duração. Por outro lado, o tempo entre o rompimento e o ataque é bem mais curto: de 24 horas a 18 meses.

Motivação

O fim do relacionamento se confirma como a principal motivação para os crimes de feminicídio. Em 37 ocorrências, os agressores não aceitaram o término. Outras causas envolveram discussão, vingança, ciúme, estupro, gravidez, recusa da mulher em manter relação sexual, entre outros.

Ao total, a Defensoria analisou 107 casos envolvendo 116 vítimas de processos ajuizados entre 1997 e 2019. Destes, 40 foram julgados e 31 terminaram em condenação. Do total, 69 contêm relatos de violência doméstica anterior, dos quais apenas 23 foram anotados na folha de antecedentes criminais do autor.

O estudo foi realizado em parceria com o setor de Estudos e Pesquisas de Acesso à Justiça e a Coordenadoria de Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Civil.

+ sobre o tema

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

Intervir em briga de casal pode salvar vida, diz juíza

A advogada Tatiane Spitzner, 29, foi encontrada morta no...

Uma vida inteira pelo fim da violência contra a mulher: A luta de Jacira Melo

Diretora do Instituto Patrícia Galvão defende acesso à informação...

Projeto de hip-hop aborda violência contra mulher indígena

 Com a proposta de estimular discussão sobre temáticas socioculturais...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...
-+=