Arrependido, homem confessa feminicídio espontaneamente

Homem de 64 anos procurou delegacia em Sinop e disse ter matado a esposa e enterrado o corpo no banheiro

no O Estado do Mato Grosso

Foto: Canal de Ciências Criminais

A Polícia Judiciária Civil apura um suposto homicídio com ocultação de cadáver, ocorrido há 25 anos, do município de Sinop (500 km ao Norte). O autor seria o marido da vítima, que hoje está com 64 anos, e resolveu confessar a morte da esposa, ao procurar a Delegacia da Polícia Civil, na terça-feira (30), acompanhado da atual mulher.

O suspeito, Jairo Narciso da Silva, 64, por iniciativa própria, foi até a Delegacia e confessou que no ano de 1994, matou a esposa, Luzinete Leal Militão de 28 anos, por ciúmes, porque a mulher gostava de sair de noite. Na época, a mulher tinha um filho de 10 anos de um relacionamento anterior, e um segundo filho de 8 anos, fruto do casamento com o suspeito.

O idoso confessou ao delegado, Ugo Angelo Rech de Mendonça, que matou a mulher com uma barra de ferro, quando ela estava deitada em uma cama e depois finalizou asfixiando a vítima até sua morte completa.

Segundo ele, o corpo da mulher foi enterrado no banheiro da casa que estava em obra, junto com documentos pessoais e joias, para simular que ela havia fugido com um amante, argumento este que sustentou todos esses anos junto aos dois filhos.

Ainda em depoimento, o suspeito contou que certo tempo depois vendeu o imóvel para uma terceira pessoa. Esse comprador foi identificado e afirmou a Polícia Civil ter comprado a casa dele.

O delegado Ugo Angelo Rech de Mendonça, disse que foi representado junto ao Poder Judiciário por autorização judicial para escavar o local, visando encontrar os restos mortais da vítima, bem como outras provas que possam comprovar a materialidade dos fatos.

A Polícia Civil também conseguiu encontrar nos arquivos da Delegacia de Sinop, um boletim de ocorrência feito a mão pelo suspeito, no dia 21 de outubro de 1994, narrando o desaparecimento da esposa.

“A princípio a chance de localizar o corpo da vítima é bem alta. O suspeito disse que resolveu procurar a polícia, pois bateu arrependimento. Mesmo que o homicídio tenha prescrevido, o crime de ocultação de cadáver é permanente, fato esse que o suspeito poderá ser responsabilizado criminalmente”, destacou o delegado.

Os filhos adultos da vítima ficaram sabendo do caso nesta semana.

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher - Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS
Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

+ sobre o tema

Ministério Público denuncia ex-marido de Luiza Brunet por agressão contra a atriz

Nesta segunda-feira (25), o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) denunciou...

Advogada vai defender mulher que estava sendo espancada e é presa em Curitiba

A advogada Carla Begnini Pinheiro, presa na manhã do...

para lembrar

Familiares de detentos são vítima de violência sexual em presídio do Maranhão

Após visitar o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São...

Polícia afasta delegado que disse não saber se houve estupro coletivo

Após afirmar que não estava convencido de que realmente...

Futuro do assassino de Louise será definido a partir de quarta (22/6)

Vinicius Neres, que confessou ter matado a ex-colega de...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=