Marina mexe em mais um vespeiro popular: a CLT

Citando “o professor Gianetti”, chefe de sua equipe econômica, candidata do PSB promete “atualizar” a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT); Marina Silva não explicou, porém, qual será o sentido a mudança; “Ainda não temos essa resposta”, disse ela em encontro com empreendedores, em São Paulo; pelo manual ortodoxo de Eduardo Gianetti, garantias trabalhistas são um peso para o desenvolvimento; entre janeiro e agosto, País criou 701 mil empregos com base na CLT; depois de atacar pré-sal, Marina põe as mãos sobre novo vespeiro de alta sensibilidade; plataforma é popular?

A candidata Marina Silva, do PSB, enfiou as mãos em mais um vespeiro popular. Depois de questionar a prioridade dada pelo governo à exploração do pré-sal e reafirmar, por meio do coordenador Walter Feldman, que pretende mudar o modelo de partilha do petróleo brasileiro em benefício das empresas estrangeiras, agora ela escolheu um novo alvo: a CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas.

“Vamos fazer uma atualização das leis trabalhistas”, disse Marina, ontem, em São Paulo, em reunião com micro e pequenos empresários. Ela não deixou claro, porém, qual será o sentido da mudança em caso de se eleger presidente. “Ainda não temos essa resposta, esse assunto é muito complexo”, completou ela.

Marina fez sua promessa de atualizar a CLT num contexto de reclamações dos pequenos empreendedores sobre dificuldades para a contratação de mão de obra. A candidata se comprometeu, então, a trabalhar pela alteração das atuais normas trabalhistas. Este ano, entre janeiro e agosto, o País registrou a criação de 701 mil vagas com carteira de trabalho assinada, dentro da legislação atual.

Marina agregou que as mudanças que pretende fazer na CLT serão “sem prejuízo” a empregadores e empregados. Ela ressalvou que não quer que sua iniciativa seja chamada de “flexibilização” da CLT, apesar de ter sido essa a impressão que ficou de sua nova promessa eleitoral.

– Quero reafirmar, para que não fique nenhuma dúvida, de que isso será feito sem prejuízo às conquistas que os trabalhadores a duras penas alcançaram, afirmou a candidata a jornalistas.

Ao ser questionada sobre o que pretende fazer em relação à terceirização da mão de obra, ela procurou ajustar novamente seu discurso.

– Não queremos a precarização das ocupações que existem. Foi feito um processo no governo do PSDB que tem muitos problemas e esses problemas precisam ser reparados, acentuou Marina.

Após prometer a “atualização” da CLT, citando “o professor Gianetti” como inspiração, a candidata reconheceu que ainda não faz ideia do que pretende fazer sobre o assunto em caso de chegar ao governo.

– É um debate difícil e ainda não temos uma finalização sobre o assunto, assinalou.

Pela cartilha do economista Eduardo Gianetti da Fonseca, que vai assumindo o posto de chefe da equipe econômica de Marina, sabe-se que garantias trabalhistas são vistas como entraves para o desenvolvimento do País. Os empreendedores que ouviram Marina ficaram com a impressão de que, para um lado ou para o outro, a CLT não será a mesma caso a candidata do PSB vença a corrida eleitoral.

 

 

 

 

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Desemprego em 2014 foi de 4,8%, menor nível desde 2002, segundo IBGE

A taxa de desemprego no ano passado teve média...

Senado aprova cota para mulheres no Legislativo

A participação feminina na política ganhou um reforço. O...

4 mil vagas no Rio para afrodescendentes

Governo oferece cursos gratuitos, com bolsa, para afrodescendentes ...

para lembrar

Oito direitos humanos fundamentais do trabalhador

Por:Caiubi Miranda Blog Direitos Humanos no Trabalho Depois de quase trinta...

Concurso Público – de 29/05 a 05/06

Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de...

1VAGA PARA AFRODESCENDENTE: Tribunal de Justiça do Paraná abre 9 vagas de juiz substituto

Fonte: G1 - Exige-se bacharelado em direito e atividade...
spot_imgspot_img

Educação (não) é mais importante atualmente?

Esperança reflete um dos principais motivos que moveram milhares de retirantes e moradores de regiões rurais para áreas urbanas ao longo do século 20....

Brancos recebem 61,4% a mais do que negros por hora de trabalho no Brasil

Brancos receberam em média R$ 20 por hora de trabalho no Brasil em 2022, quantia 61,4% maior do que a de pretos ou pardos (R$ 12,4)....

Festival gratuito em SP terá simpósio sobre direitos econômicos para mulheres negras e shows de Ellen Oléria e Ilú Obá De Min

O Fundo Agbara, primeiro Fundo Filantrópico para Mulheres Negras do Brasil, realiza, no dia 24 de novembro, a partir das 13h, a 3ª edição...
-+=