Ministério Público denuncia preparador físico por racismo e pede que ele continue preso

Enviado por / FonteGE, por Leonardo Lourenço

Sebastián Avellino Vargas, do Universitário, do Peru, teria imitado um macaco a torcedores do Corinthians em jogo da Sul-Americana

O Ministério Público de São Paulo ofereceu denúncia, nesta quarta, contra o preparador físico Sebastián Avellino Vargas, do Universitário, do Peru, por racismo. Ele é acusado de imitar um macaco a torcedores do Corinthians em jogo da Copa Sul-Americana, há uma semana.

Vargas foi enquadrado em dois crimes: o de praticar ou incitar a discriminação ou preconceito de cor, raça ou etnia, com o agravante de ter sido num evento esportivo, que prevê pena de até cinco anos de prisão; e o de promover tumulto ou incitar a violência, com pena de até dois anos de prisão, esse último previsto na nova Lei Geral do Esporte.

O promotor Pedro Henrique Pavanelli Lima ainda pede que Vargas seja mantido preso preventivamente. Ele aponta que o preparador físico, que é uruguaio, não mantém vínculo com o Brasil e, por isso, quer mantê-lo preso para o andamento do processo.

Na denúncia, o Ministério Público cita imagens feitas das arquibancadas e pelas câmeras de monitoramento da Neo Química Arena para afirmar que Vargas “simulou gestos de macacos com os braços direcionando-os aos torcedores brasileiros”.

Um pouco antes, a defesa de Vargas apresentou pedido de revogação da prisão do preparador físico e incluiu ao processo declarações de clubes em que ele trabalhou anteriormente, como River Plate e Peñarol, ambos do Uruguai, como atestado de boa conduta.

A Justiça ainda não decidiu sobre nenhum dos dois pedidos apresentados nesta quarta-feira.

Na véspera, Corinthians e Universitário voltaram a se enfrentar no jogo de volta dos play-offs da Copa Sul-Americana, em Lima. Os brasileiros venceram por 2 a 1 e se classificaram, mas a partida terminou em confusão após o Ryan, do Corinthians, mostrar a camisa do clube a torcedores locais para comemorar seu gol.

O lance, que levou a quatro expulsões, foi alvo de um pedido de desculpas do técnico Vanderlei Luxemburgo e de ironia do técnico do Universitário, Jorge Fossati, que o comparou ao suposto gesto racista de seu auxiliar preso no Brasil.

+ sobre o tema

Por que mandaram matar Marielle Franco? Essa agora, é a pergunta que não se cala…

Seis anos depois e finalmente o assassinato de Marielle...

Mulheres sambistas lançam livro-disco infantil com protagonista negra

Uma menina de 4 anos, chamada de Flor de...

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo...

para lembrar

spot_imgspot_img

Com a mão erguida e o punho cerrado eu grito: fogo nos eurocêntricos cientistas-cientificistas

A verdade é que esse mundo é uma Ameaça. Uma Ameaça a certas gentes. Uma Ameaça a certas não-gentes. Uma Ameaça a redes, a...

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas, como imaginado. A estudante do 3º ano do ensino médio Franciele de Souza Meira, de...

Colégio afasta professor de história investigado por apologia ao nazismo, racismo e xenofobia

Um professor de história da rede estadual do Paraná foi afastado das funções nesta quinta-feira (18) durante uma investigação que apura apologia ao nazismo, racismo...
-+=