Miséria é a principal herança da escravidão, diz Dilma

A presidente da República Dilma Rousseff definiu a “invisibilidade da pobreza e a miséria” como a herança mais marcante da escravidão, ao fazer o discurso de encerramento do Encontro Iberoamericano de Alto Nível em Comemoração ao Ano Internacional dos Afrodescendentes (África XXI) no início da tarde desse sábado, (19).

Segundo ela, atrelada a essa herança, veio a visão das “elites” de que o País poderia crescer “sem distribuir renda e incluir”. Nesse sentido, lembrou os programas inclusivos iniciados com a gestão do ex-presidente Lula e seu lema de que “pais rico é país sem pobreza”.

Conforme Dilma, os afrodescendentes são os que mais sofrem com o desemprego, a violência e a extrema pobreza. Por essa razão, discursou, “reverter esse quadro é o objetivo da Carta de Salvador”, disse, defendendo as políticas públicas de promoção e igualdade social.

Ela destacou ainda que as políticas dos países latinoamericanos de estabelecer seus próprios mercados tem ajudado a América Latina a enfrentar a crise econômica internacional e permitir assim, o desenvolvimento de políticas públicas sociais.

Por outro lado, manifestou-se preocupada com os rumos da crise. Para ela “o risco de instabilidade pode agravar as desigualdades sociais em todo o mundo”. Ela lamentou que a recessão tenha sido imposta como receita para a crise na Europa. Sabemos que esse processo não dá certo, provoca desemprego, perda de ganhos sociais e não resolve o problema”, disse, receitando “expansão do consumo e inclusão social” para o enfrentamento do problema.

Lembrou que recorrer ao FMI não é um bom negócio, assinalando que o Brasil só conseguiu melhorar a economia após pagar sua dívida com o Fundo. Focando na proposta de maior participação do gênero feminino nos governos, Dilma disse que a valorização das mulheres em todos os campos é urgente.

Chefe de estados e representantes de 14 países participaram do evento. Um deles, o presidente do Uruguai, José Mujica, não só apoiou os termos da Carta de Salvador como defendeu a proposta de que todos os homens e mulheres de origem africana recebam educação de qualidade.

Mujica concorda que somente a educação é o caminho da igualdade social. “A negritude não quer esmolas, mas oportunidades e direitos iguais”, disse.

Fonte: A Tarde

+ sobre o tema

Detenção de Mano Brown exemplifica a mensagem de Cores e Valores

Pedro Paulo Soares Pereira, 44 anos, também conhecido como...

Últimas tropas de combate dos EUA deixam o Iraque

Segundo redes americanas, tropas deixam o país em direção...

Olimpíada é aprofundamento do modelo militarizado de segurança

Para diretor da Anistia Internacional, aumento da violência do...

Em prol das crianças e jovens

Menino, negro, 13 anos, vivendo na zona rural do...

para lembrar

Justiça cassa 13 vereadores em São Paulo; advogado diz que lei não proíbe doações

Fonte:UOL - A Justiça Eleitoral de São Paulo cassou...

Machismo e racismo dentro e fora do BBB

por Karen Polaz de Blogueiras Feministas Não sou fã...

Entrevista – Fábio Mesquita: “Talvez a solidariedade nos leve a viver em um mundo melhor”

“Este ciclo vai passar… e talvez esse momento tão...

Maioria acha que Obama não mereceu Nobel

Fonte: Blog Sérgio Dávila - Pesquisa Gallup divulgada hoje confirma...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=