Mulher acusada de racismo contra menina de 4 anos será indiciada por injúria

Por: Carlos Calaes

A mulher de 53 anos que teria cometido o crime de discriminação e racismo contra uma menina negra de 4 anos, que dançou quadrilha com o neto, um garoto branco de 5 anos, deverá ser indicada por injúria qualificada. A pena prevista nesses casos pode variar de um a três anos de prisão. Pelo fato de ser ré primária, no entanto, a punição deverá ser convertida em prestação de serviços ou pagamento de cestas básicas. Nesta quarta-feira (25), às 10 horas, mais uma professora que presenciou as ofensas vai prestar depoimento e deve confirmar a denúncia de racismo contra a menina. A informação é do delegado Juarez Gomes, da 4ª Delegacia de Contagem.

Conforme a Polícia Civil, um inquérito foi insataurado para investigar o suposto crime de discriminação e racismo, que teria ocorrido durante uma festa junina, realizada no último dia 7, na escola infantil Emília.

Na festa, a menina D., negra, estava vestida de noiva e dançou quadrilha com o coleguinha C., um garoto branco. Nenhum incidente ocorreu na festa. No entanto, segundo o delegado, três dias depois, a avó do menino, Maria Pereira Campos da Silva, a “Mariinha”, de 53 anos, teria invadido a escola em buscas de explicações de quem teria deixado o neto dançar com a “menina preta horrorosa”. Essas palavras teriam sido ditas em frente à menina e outros dez coleguinhas. Muito assustada com o comportamento da mulher, a menina passou mal e chegou a vomitar.

A professora Cristina Pereira Aragão, de 34 anos, que assistiu a tudo horrorizada, exigiu providências da diretoria, sem sucesso. Inconformada, ela pediu demissão e relatou tudo à mãe da menina, a atendente de marketing Fátima Viana Souza, de 41 anos. Juntas, elas foram à polícia e denunciaram o caso. O delegado disse que a acusada já prestou depoimento e negou as acusações.

Na terça-feira, o Hoje em Dia esteve na casa da menina, que demonstra estar superando o incidente. “Eu mesma já fui vítima de racismo, mas, com uma criança, é muita covardia, Isso não pode ficar impune e vou até o fim”, afirmou Fátima. Procurada em sua casa, “Mariinha” não foi encontrada.

 

 

Fonte: Hoje em dia

+ sobre o tema

Carta Aberta (afetiva) aos técnicos sociais de Medida Socioeducativa

Técnico Social é como está na carteira de trabalho....

O racismo inverso existe e precisa ser combatido

Mais uma vez falando sobre racismo, mas dessa vez...

Os negros e a reforma da previdência

Não dá para falar em previdência social sem remeter...

para lembrar

Funcionária pública denuncia caso de racismo e é exonerada pela prefeitura de BH

A Prefeitura de Belo Horizonte exonerou, nessa quarta-feira (18/9),...

Presidenta da UNE, Bruna Brelaz sofre ataques racistas e misóginos

Presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Bruna Brelaz foi vítima de ataques...

Professor da USP tenta impedir ato de apoio a funcionário agredido no Carrefour

Fonte: Jornal Ìrohin Vaias e discussões marcaram manifestação e expressaram desaprovação...

Comediante se passa por bêbada e vende drogas a polícia para provar que brancos têm privilégios

Jessie Kahnweiler cometeu uma série de infrações para tentar...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=