Mulher que xingou aluna de ‘preta horrorosa’ chega à delegacia para depor

A suspeita chegou na delegacia nervosa e negou ser a pessoa que ofendeu a garota

por: João Henrique do Vale – Flávia Ayer – Luana Cruz

A mulher suspeita de xingar de “negra, preta horrorosa e feia” uma menina de 4 anos dentro de uma escola de Contagem, na Grande BH, chegou à delegacia para prestar depoimento sobre o caso. Maria Pereira Campos da Silva chegou ao local por volta das 16h. Muito agressiva, ela negou que seria a responsável pelas agressões verbais contra a garota. Inicialmente a Polícia Civil havia informado que Maria Pereira só iria ser interrogada na terça-feira.

Na manhã desta segunda-feira, a professora Denise Cristina Pereira Aragão, de 34 anos, que presenciou o xingamento, e a mãe da criança, Fátima Viana Souza prestaram depoimento. O delegado Juarez Gomes, da 4ª Delegacia de Contagem, informou que deve autuar a suspeita por injúria qualificada. Para ele, não ficou configurado o racismo. Juarez entende que houve uma ofensa em razão da cor de pela da criança, mas o racismo seria confirmado caso a aluna fosse impedida de dançar na festa ou se matricular na escola. Portanto, Gomes pode autuar Maria Pereira por injúria qualificada, de acordo com o parágrafo 3 do artigo 140 do Código Penal.

O caso começou em 7 de julho. A menina dançou quadrilha com o neto de Maria Pereira da Silva, no Centro de Educação Infantil Emília, em Contagem. Conforme consta no boletim de ocorrência, no dia 10, a avó invadiu a escola aos gritos querendo saber porque o neto havia dançado com uma negra. A professora Denise presenciou tudo e relatou à diretoria. Indignada com a atitude da dona e da diretora da escola, que não tomou providências para defender a aluna e tentou abafar o caso, Denise pediu demissão. Ela contou o fato para a família, que registrou boletim de ocorrência.

O advogado que defende a família da menina concorda com a atitude do delegado, mas diz que novas testemunhas podem mudar o rumo das investigações. “Conversei com o delegado e, com os indícios que ele tem em mãos, realmente tem que qualificar como injúria. Testemunhas serão ouvidas durante a semana. Elas afirmam que a avó do garoto tentou acabar com a festa junina. E isso caracteriza racismo”, diz o defensor Amadeus Carlos de Miranda Pimenta.

20120723163254761237i

Testemunhas procuraram a organização não governamental SOS Racismo, onde o advogado trabalha, para relatar que no dia da festa, a mulher ficou revoltada ao ver o neto dançando com uma negra. Maria Pereira chamou a diretora da escola para tentar acabar com a festa, mas depois desistiu. “Segundo essas pessoas que nos procuraram, a mulher desistiu e falou que só não fez nada em respeito à diretora”, explica Amadeus Pimenta. Para ele, o fato de a mulher voltar na escola para fazer as ofensas foi todo planejado. “Isso mostra que foi um ato criminoso, mostra que ela planejou ir ao colégio apenas para fazer os xingamentos”, indagou.

A família da garota verbalmente agredida pretende pedir indenização na Justiça. “Vamos abrir um processo na esfera criminal e na cível contra a avó do garoto. Vamos pleitear uma indenização reparadora por danos psicológicos, materiais e educacionais da criança”, explica o advogado. Um outro processo será aberto contra a diretora e contra a escola. “Queremos que o registro da escola seja reavaliado, pois pelo modo que está funcionando está em desacordo com a lei”.

 

 

Fonte: Em.com.br

+ sobre o tema

Elias diz ter sido vítima de ofensa racista

Fonte: Folha São Paulo - Foto: Daniel Augusto Jr. /...

MATO GROSSO DO SUL: Diretor anula suspensão de alunos em suposto caso de racismo

Fonte: Midiamax - por Valquiria Oriqui   Encamina-se para terminar bem o...

‘Racismo, impunidade e justiça divina’ por Reverendo Zé do Egito

por Reverendo Zé do Egito Sobre: racismo, impunidade e...

para lembrar

Barbarie: Um “saco” com quatro filhos

A morte de uma mulher no Rio, após ser...

Pesquisa mostra como racismo se perpetua nas estruturas do poder

Rafael Castino – Com foco nas relações de trabalho, estudo verifica...

Resenha do Livro Abdias do Nascimento, de Sandra Almada

Por Jair Silva Abdias Nascimento ALMADA, Sandra. Abdias Nascimento. São Paulo:...

Inscrições racistas são encontradas na Unesp

Frases com ofensas de conotação ao racismo são avistadas...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=