Mulher sofre injúria racial ao brincar com criança em shopping de Campinas e denuncia caso: ‘Aqui tá cheio de preto’, ouviu

Enviado por / FonteG1

Jovem de 28 anos estava com a filha de um amigo no playground do Shopping Parque das Bandeiras. Mulher que cometeu o crime foi presa em flagrante, pagou fiança e foi liberada.

Uma mulher de 28 anos sofreu injúria racial quando brincava com uma criança no playground de um shopping de Campinas (SP), no sábado (9). Ao entrar na área com a filha de um amigo, ouviu de outra mulher: “Vamos embora daqui, tá cheio de preto”. A vítima denunciou à Polícia Militar, e a agressora foi presa em flagrante .

O vídeo da confusão ocorrida no estacionamento do Shopping Parque das Bandeiras foi divulgado nesta quarta-feira (13) – assista acima.

“Assim que eu entrei, a mulher já se levantou e falou assim: ‘Vamos embora daqui, tá cheio de preto’. […] Eu falei : ‘O que a senhora está falando?’. E ela: ‘É isso mesmo!’Tá cheio de preto, e preto não gosta da gente'”, contou a vítima, a analista de RH Aline Cristina Nascimento de Paula.

O advogado da agressora disse à EPTV, afiliada da TV Globo, que, por enquanto, ela não vai se manifestar.

Após ver o comportamento da agressora, que conduzia uma outra criança ao se retirar da área recreativa, a vítima questionou a declaração da mulher. Nesse momento, a agressora teria reafirmado o fato de ser racista.

“Falei: ‘Senhora, pega o seu filho e vai embora, que a senhora está sendo racista’. Ela falou assim: ‘É isso mesmo! Sou racista mesmo!'”, contou Aline.

Outras pessoas que estavam no local se mobilizaram e a Polícia Militar foi chamada. Seguranças do shopping não deixaram a mulher ir embora.

Os agentes conduziram as mulheres para a 2ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Campinas. O crime foi registrado como injúria racial e é afiançável. A agressora, de 34 anos, pagou R$ 1,5 mil e foi liberada.

“A gente sempre ouve, alguns comentários, algumas coisas. E é assim que a gente leva a vida. Deixando passar. Dessa vez, não vai”, desabafou a vítima, com a voz embargada.

O que disse o shopping

Em nota, o Shopping Parque das Bandeiras disse que prestou assistência à vítima e reforçou que “não tolera nenhum tipo de discriminação em suas dependências e que possui valores como ética, humildade e transparência”.

O centro de compras informou que criou um Comitê de Diversidade e Inclusão para oferecer palestras, treinamentos e novos processos para que todos os colaboradores saibam atuar em casos como este, ocorrido no sábado.

O que fazer se sofrer esse crime?

O crime de injúria racial está previsto no Código Penal brasileiro e consiste em ofender a honra de alguém valendo-se de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem.

É classificado em sitruações que envolvem a honra de um indivíduo específico, geralmente por meio do uso de palavras preconceituosas.

A vítima que sofrer injúria pode procurar uma delegacia e mover, por conta própria, um processo contra o agressor, sem a necessidade de ação do Ministério Público (MP).

Aline disse à EPTV que já entrou em contato com advogado e pretende entrar com uma ação pelo crime de racismo contra a agressora.

+ sobre o tema

Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um...

Literatura africana em sala de aula: uma proposta didática

A relação entre história e literatura vem de longa...

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

para lembrar

‘Projeto Querino’ é um podcast que narra a luta negra sem romantismo

Se os livros de história narram a Independência do Brasil...

E se Roberto Jefferson fosse negro e pobre?

Em outubro celebramos os 200 anos da morte de...
spot_imgspot_img

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...

Jornalista é vítima de injúria racial dentro de supermercado da Baixada Fluminense

O colunista Daniel Nascimento, do jornal O Dia, foi vítima de injúria racial em um supermercado de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na última...
-+=