NEABI – na esteira da resistência e da consolidação de espaços

Em luta há dois anos o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas – NEABI – IFCEcampusCrateús, com a missão de produzir e difundir conhecimentos, fazeres e saberes vêm contribuindo para a promoção da equidade racial e dos Direitos Humanos, da superação do racismo e outras formas de discriminações, na perspectiva da ampliação e consolidação da cidadania e dos direitos das populações negras e indígenas no Brasil, no Ceará e, em particular, neste campus. Nesta sua curta trajetória desenvolveu/desenvolve uma série de ações, projetos e programas, tais como: conferências, encontros, estudos, debates, reuniões, mesa redonda, seminários, conferências, participação em eventos, pesquisa, ensino e extensão.

por ANTONIA KARLA BEZERRA GOMES enviado para o Portal Geledés

Foto: Maria Vanusa

É nesta perspectiva de ser reduto de reflexão, sistematização e ação que compreendo o NEABI como um neoquilombo. Se no passado os quilombos eram formados por negros escravizados em busca de liberdade e cidadania, hoje nos organizamos em busca da consolidação de liberdade e cidadania, de desvelar a falácia da igualdade racial, o racismo pernicioso, o genocídio dos jovens negros, a violação dos corpos e do trabalho das mulheres negras, o sofrimento e a solidão das crianças negras… Mas também de apresentar os nomes, os rostos e os empreendimentos daqueles homens e daquelas mulheres que doaram/doam seus dias, suas forças e suas vidas pelo fim da miserável escravidão a qual foi forçado o povo negro no Brasil, sequestrado no continente africano. Escravidão que se perpetua até os dias de hoje com novas faces e estruturas. Em pesquisar as contribuições culturais e tecnológicas para a formação do Brasil, assim reconhecendo e apresentado a importância desta gente, que foi, pela lógica eurocêntrica, destituída de espírito, cultura e história. Muito têm sido feito neste e a partir deste espaço de resistência.

Mas ainda há tanto pelo que lutar – ovingador é lento e muito bem intencionado– quero dizer com isso, que nossa batalha diária não cessará enquanto estudantes negros forem convencidos pela violência psicológica, física e simbólica que o IFCE campusCrateús não é lugar pra ele, enquanto estudantes negros não reconhecerem a luta de nossos ancestrais como suas, enquanto jovens negros se deixarem cooptar pelo discurso fácil da meritocracia, enquanto jovens negros acreditarem que cota é esmolae não reparação, enquanto as pessoas não negras insistirem na igualdade racial em terras brasileiras, na naturalização da violência contra os corpos negros, contra a religião, a cultura, a história dos povos afro-brasileiros. Enquanto a Lei 10.639 não se materializar em livros, em disciplina, em conhecimento cada vez mais solicitado pelas avaliações externas. Enquanto não existir, neste país, igualdade e respeito para todos os povos, incluindo meu povo preto dos quilombos, das favelas, dos cafundós do sertão e da cidade, vamos ter pelo que lutar.

Foto: Anderson Silva

E é neste sentido de luta, emaranhada de afetos, saberes, resistência e arte que o NEABI campusCrateús está desenvolvendo dois projetos de pesquisa, sob orientação da professora Valéria Lourenço: PIBIC Ensino Superior “Narrativas orais e memória coletiva como patrimônio imaterial: cartografia das trajetórias de vida dos (as) “intelectuais locais” de Crateús/CE e PIBIC Ensino Médio “Mapeando a implementação do ensino de história e cultura, africana, afro-brasileira e indígena nas instituições de ensino públicas do sertão cearense”.

Vem realizando formação, destaque para os minicursos realizados durante a II Jornada da Física o minicurso RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NA EDUCAÇÃO: POR UM ENSINO DE DIVERSAS CORES, co-ministrado pelo estudante Anderson Beserra – licenciando em Letras,objetivando discutir a importância de uma educação voltada para a diversidade étnico-racial. O minicurso tratou dos conceitos essenciais para a discussão em sala, tais como “raça”, “racismo” e “etnia/étnico”, os principais desafios que permeiam um processo de ensino e aprendizagem mais inclusivo, e quais estratégias didático-metodológicas podem ser mobilizadas na tentativa da sua efetivação. O outro minicurso foi A transversalidade no Ensino: Tour do enfrentamento a LGBTQI fobia e Machismo, co-ministrado por  Leonardo de Paiva e Mayara Barros – licenciandos em Física, os temas abordados giraram em torno dos conceitos de Orientação Sexual, Identidade de Gênero, Expressão de Gênero e Feminismo, bem como a legislação educacional que garante a discussão destes temas em sala de aula, por exemplo, os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN, os temas abordados foram contextualizados com questões relativas a raça e classe.

Foto: Leonardo Paiva

Ainda na esteira da resistência e da consolidação de espaços o NEABI lançou o projeto – Cineclube Terça Diversa– objetivando proporcionar a discussão das temáticas raça, gênero e classe no IFCE campus Crateús a partir de ações cineclubistas para estudantes do campus e da comunidade em geral.O projeto terá duração de um ano, as seções serão mensais, sempre as terças, o horário e a programação estarão sempre disponíveis nas redes sociais. Coordena este projeto a professora Karla Gomes e as bolsistas Tati e Vanuza – Licenciatura em Geografia, Delmira – Médio Técnico em Química e o bolsista Leonardo – Licenciatura em Física, todos participantes do NEABI campusCrateús.

A primeira sessão ocorreu neste dia 20 de Novembro, às 14:00h, no auditório do  campusCrateús, para os estudantes do curso Química integrado ao Ensino Médio, os mebros do NEABI e acomunidade externa. O filme será O Xadrez das Cores, de Marco Schiavon. O debate após a sessão foi conduzido pelo professor Jorge Félix.

As reuniões do NEABI são quinzenais, sempre as terças, às 15:30h. Participe!

Neste 20 de novembro e todos os dias antes e depois dele que façamos uma séria reflexão sobre a luta dos negros e a esperança de construirmos uma sociedade na qual a alegria e o respeito não deixem espaço para nenhum tipo de discriminação (Vicentinho).

 


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres 2018

A campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da...

“Você tem que ser boa duas vezes”, diz Naomi sobre ser negra em livro

A poucos dias do lançamento do volume II de  “Naomi Campbell”,...

”Minha luta pessoal é o enfrentamento ao racismo”

A luta de Maria Carolina Trevisan ''Aposto na potência do...

“Quando nos matam duas vezes, a luta negra ressurge outras mil”

Quinze meses completos após suas mortes, em 14 de...

para lembrar

Comissão da Mulher na Câmara Municipal de SP é formada apenas por homens

A comissão responsável por discutir políticas públicas para as...

“Se a bandeirinha é bonitinha, que vá posar na Playboy”

A agressão verbal contra a auxiliar Fernanda Uliana prova...

Rolf Harris apresentador infantil pedófilo é condenado à prisão

Rolf Harris foi condenado por 12 acusações de pedofilia...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=