O que o assalto de Gisele Bünchen nas Olimpíadas revela sobre o Brasil

Carnaval, futebol, floresta e… um assalto a Gisele Bündchen! De acordo com relatos de vários dos 3 mil convidados que assistiram ao ensaio geral da abertura das Olimpíadas, realizado na noite do último domingo, a inusitada cena seria exibida para o mundo na próxima sexta. Diante da péssima repercussão, a organização do evento anunciou o cancelamento do trecho. Ficamos com o dito pelo não dito, mas permanece nas entrelinhas uma espantosa quantidade de nuances culturais sobre o Brasil.

Por Letícia Bahia, do UOL

Talvez assalto e violência policial não sejam exatamente o que a gente espera de uma abertura de Jogos Olímpicos, mas se o estado do Rio de Janeiro registra 16 homicídios por dia e a polícia brasileira é a que mais mata no mundo, por que não usar os holofotes olímpicos pra falar sobre isso? Essa poderia ser uma abordagem interessante, talvez inédita em Olimpíadas. Mas a intenção dos organizadores foi bem mais alinhada à tradição de mostrar só o lado “positivo”.

A cena se desenrola, dizem os relatos, com a modelo desfilando ao som de Garota de Ipanema. Um jovem, aparentemente da periferia, se aproxima no que para muitos foi entendido como um assalto. Corre-corre de homens de preto (os organizadores juram de pé junto que eles não representam policiais), intervenção de Gisele e pronto. A polícia entendeu errado, o jovem assaltante na verdade é “do bem”, todo mundo se abraça e segue a farra, em clima de “deixa disso”.

É a velha crença de que, com o “jeitinho brasileiro”, tudo se resolve – até a pobreza e a desigualdade social. Nada de sugerir soluções, lembrar de famílias desalojadas para a construção do Parque Olímpico, da poluição na Guanabara ou de obras superfaturadas! E se o jeitinho entala na garganta, corta-se a cena! Afinal, o que os olhos não veem o coração não sente!

Também chama a atenção a escolha da supermodelo para representar as mulheres do Brasil. Nada contra a gaúcha, mas o que dizer de um país mestiço – que afirma por aí morrer de orgulho de sua miscigenação -, que elege como seu destaque uma mulher branca, magérrima, loira e de olhos claros? O que isso diz sobre os nossos padrões de beleza e como os impomos para milhões de mulheres que são, em sua maioria, morenas, mais encorpadas, baixas e, em 53,6% dos casos, se enxergam como pretas ou pardas? Que mensagem estamos enviando sobre o que achamos bonito e o que não merece espaço no horário nobre?

Mas deixemos isso pra lá, que ninguém quer ser estraga prazeres. Olimpíada é festa, é paz, é união. Você pensou que fosse o quê? Um megaevento financiado por empresários que não estão nem aí para o esporte ou para o povo brasileiro? Fique tranquilo que ninguém vai estragar sua festa. Nessa sexta é dia de passar no Mc, abrir uma Coca gigante e relaxar na frente da sua TV Samsung pra assistir o começo da festa, que esses e outros patrocinadores do Rio 2016 não vão deixar nada de mal acontecer dentro da sua televisão. Agora, se alguém te assaltar na rua ou se a PM te tomar por assaltante, não vá tentar o abraço – prometo que não funciona.

*Letícia Bahia é Diretora de Relações Institucionais da Associação AzMina de Jornalismo Investigativo, Cultura e Empoderamento Feminino, coautora do livro “Você é já Feminista”, psicóloga e autora do blog “Reflexões de uma Lagarta”

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

OMS planeia ensaio maciço de vacinas contra o ébola

A Organização Mundial de Saúde anunciou planos para iniciar,...

Trabalhadores à espera de auxílio se sentem insultados por Bolsonaro

Trabalhadores à espera de auxílio se sentem insultados por...

Descontrole do Estado

A crise na segurança pública é um problema tão...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=