Obama: Nova Agenda

Fonte: Folha de São Paulo
Por Antonio Delfim Neto

 

Nova agenda
O PROGRAMA proposto pelo presidente Obama é sutil e complexo. Esconde uma nova agenda de inovações científico-tecnológicas-industriais, que provavelmente determinarão o desenvolvimento econômico (e social!) dos EUA e repercutirão sobre toda a economia mundial, inclusive a brasileira. Seus três objetivos mais visíveis e de prazo mais urgentes eram:

1) A rápida solução dos problemas criados pela política monetária laxista do Fed (e de seus “parceiros”) que permitiu uma expansão de crédito e terminou num desastre. Não é possível saber com certeza qual o efeito da “inundação de liquidez” e da expansão das despesas públicas (política anticíclica). Uma coisa, porém, é certa: tais medidas, somadas à capacidade de ajuste do sistema de preços relativos e ao “espírito animal” dos empresários, estão colocando em marcha a economia real. Os americanos têm a sensação de que Obama resolveu o problema dos banqueiros, não o do sistema bancário;

2) O enfrentamento do problema da saúde nos EUA. Obama já sentiu o arrefecimento do “entusiasmo” popular com a solução (que envolve um aumento dos impostos). A crença nos dois fatos: a) de que atendeu aos banqueiros à custa do contribuinte e b) propôs um programa de “saúde” sem sustentabilidade derrubaram a sua popularidade, e

3) Dar maior ênfase ao problema ambiental, totalmente desconsiderado por Bush. Do lado da oferta este programa está apenas começando, com importantes estímulos à criação de tecnologia e de subsídios para a produção de combustível líquido de origem não fóssil (de massas florestais), pela liquefação de suas imensas reservas de carvão que reduza (ou capture) a produção de CO2 e pelo aumento da eficiência de outras energias “renováveis”.

Do lado da demanda há, também, um enorme programa de tecnologia e de subsídios para reduzir, na margem, a relação energia/PIB.
Essa dispersão de intenções tornou mais difícil entender o objetivo final do programa de “segurança nacional” de Obama: devolver aos EUA a autonomia energética perdida na era do petróleo. Esta é a agenda que vai dominar as “inovações” da revolução científica-tecnológica-industrial que está apenas começando. Ela vai harmonizar o desenvolvimento econômico vigoroso com a independência energética dos EUA. Desenvolvimento é pouco mais do que “inovação” + “crédito”. O seu bioma natural é os EUA, onde há clareza de objetivo e flexibilidade na economia. Quem não entender isso vai ficar no século 20!

 

Matéria original

+ sobre o tema

PV decide não apoiar candidato a presidente no 2o turno

O Partido Verde decidiu na tarde deste domingo...

5 sintomas da intoxicação emocional

Me sinto vulnerável, me chateio com facilidade e, de...

Você consegue diferenciar opinião e mensagem de ódio?

Muitos interpretam opiniões com críticas feitas por terceiros como...

Datafolha: Dilma está 12 pontos à frente de Serra

Pesquisa divulgada nesta sexta-feira mostra a petista com 56%...

para lembrar

Cotas: uma nova consciência acadêmica

por: José Jorge de Carvalho - ENQUANTO cresce o...

Polêmica: Evangélicos x Vendedores de Acarajé

No último "Programa Esquenta" da apresentadora Regina Casé, um...

Racistas são os outros

Odair Rodrigues   Segundo o pensamento da elite brasileira,...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...

Suspeito de invadir o Capitólio é preso com material para explosivos perto da casa de Obama, diz jornal

Um homem com materiais para fazer explosivos foi preso perto da casa de Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos, nesta quinta-feira (29), segundo os portais CBS...

CPMI dos Atos Golpistas: o eixo religioso

As investigações dos atentados contra a democracia brasileira envolvem, além dos criminosos que atacaram as sedes dos três Poderes, políticos, militares, empresários. Um novo...
-+=