ONU: uma década para o combate ao racismo e reparações

Enviado por J.Roberto Militão

As manifestações de racismo, discriminação e violação da dignidade humana dos afrodescendentes tem aflorado de forma reiterada em todo o mundo.

A principal razão do racismo é o desconhecimento da história e da perversidade do sistema escravocrata e de ocupação da África que perdurou desde o século XV. Eis uma iniciativa relevante para a conscientização mundial para o combate ao racismo.

A promoção do reconhecimento histórico – a escravidão africana já foi declarada um crime de lesa-humanidade – e a destruição da idéia de ´raças´ e sua classificação com a hierarquia imposta pelo racismo é o único caminho para a destruição de três séculos da ideolofia nefasta desde o nascimento do racismo.

Precisamos ficar atentos para que tal década não seja da equivocada louvação e adoção de direitos ´raciais´, nem seja a intensificação de outorgas de direitos raciais segregados tal como tem feito o Brasil na última década, mas que seja uma década de estudos, pesquisas e esclarecimentos e de revisão história.Uma década pedagógica.

Ainda hoje é comum ouvir-se argumentos hipócritas, tal como: sou filho de imigrantes e não tivemos escravos, protanto, não temos nada a ver com essa história. Isso é uma hipocrisia, pois a escravidão além de ter sido o sistema econômico que por mais de 300 anos edificou as economias das américas, continuou produzindo efeitos perversos: “os pretos e pardos não são excluidos em razão da ´raça´. Eles continuam sendo excluídos por trazerem a marca da herança escrava” dizia, nos anos 1960, o saudoso professor Florestan Fernandes.

Os africanos e os afrodescendentes na diáspora esperam a promoção da igualdade humana. O reconhecimento e o início da reparação histórica dos crimes cometidos por séculos.

Década Internacional dos Afrodescendentes declarada pela Assembléia Geral da ONU

A Década, intitulada “Pessoas Afrodescendentes: reconhecimento, justiça e desenvolvimento”, será celebrada de 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024. Buscará aumentar a conscientização das sociedades no combate ao preconceito, à intolerância e ao racismo.

O Governo brasileiro empenhou-se diretamente no processo de negociações que levou à proclamação da Década.

Fonte: GGN

+ sobre o tema

Uruguai: governo diz que número de abortos diminuiu após descriminalização

Segundo o governo, os dados preliminares apontam entre 300...

Nota da CNAIDS ao Ministro Alexandre Padilha

AoExmo. Sr.Alexandre PadilhaMinistro de Estado da Saúde - Ministério...

GO: ex-pastor é preso por estupro e cárcere privado da mulher por 6 anos

Um ex-pastor evangélico de 45 anos foi preso na...

Carta Aberta contra a chamada para a II Conferência Municipal de Promoção da Igualdade Racial

Vimos manifestar publicamente à sociedade curitibana, assim como ao...

para lembrar

O apoio turco às vítimas do racismo na Alemanha

Depois dos atentados racistas contra a famíla Yigit, na...

Denúncias de racismo abalam Departamento de Bombeiros de NY

O Departamento de Bombeiros de Nova York (FDNY), uma...

Comissão diz que não houve ato ilícito da Justiça ao algemar advogada negra

Desembargador também inocentou a juíza que pediu a prisão...

‘Lá nunca mais volto’ – SEU JORGE sofre racismo na Itália – áudio

Entrevista concedida ao produtor Van Damme, da Beat98 Seu...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=