ONU vê ‘marginalização’ contra negros e índios no Brasil

Fonte: G1 –

Alta comissária criticou a violência nas cidades brasileiras.
Após visitar Bahia e Rio de Janeiro, Pillay faz balanço de sua viagem.


A alta comissária da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, disse nesta sexta-feira (13) ter encontrado “marginalização” de índios e negros no Brasil. A secretária criticou ainda a violência nas cidades brasileiras e ligou este fato à discriminação. A secretária visitou a Bahia e o Rio de Janeiro nesta semana e faz um balanço de sua viagem em Brasília.

Para a alta comissária, a “marginalização” fica visível ao olhar os altos cargos no Executivo brasileiro. Ela destacou não ter encontrado indígenas entre os comandantes do país e ter visto poucos negros, como o ministro da igualdade racial, Edson Santos. Ela destacou o fato de mesmo na Bahia, onde a população de negros é de três quartos do total, a presença deles em altos cargos ser pequena.

Ela destacou que boa parte dessas populações está em situação de pobreza. “Milhões de afro-brasileiros e indígenas estão atolados na pobreza e não tem acesso a serviços básicos e oportunidades de emprego. Até que isso mude, esta situação vai prejudicar o progresso do Brasil em muitas outras frentes”.

Para a alta comissária, “há um vínculo indissolúvel entre segurança publica e direitos humanos”. Ela destacou que as principais vítimas de violência são os afro-brasileiros e disse que uma das principais causas de morte entre esta população é o “uso excessivo da força por agentes policiais, milícias, assim como bandidos e traficantes de drogas”.

Ela disse reconhecer as dificuldades encontradas pela polícia e citou o abate pelo tráfico de um helicóptero no Rio de Janeiro. Pilley ressaltou, no entanto, que “a maneira de parar com a violência não é recorrendo à violência”.

A alta comissária destacou ainda que na preparação para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016 tem que existir preocupação com direitos humanos, sobretudo nos investimentos na área de segurança. Ela destacou que não se pode “limpar as ruas” para resolver o problema.

Pillay mencionou ainda a existência de altos níveis de violência contra as mulheres e destacou a necessidade de informá-las melhor sobre os seus direitos e sobre leis que as protegem.

Apesar das duras críticas, a alta comissária disse ver esforços do governo federal para melhorar a situação dos direitos humanos. Ela destacou que tem faltado atenção a área de governos estaduais.

Matéria original

+ sobre o tema

Geledés participa do Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas

Em mais uma atuação relevante no cenário internacional que...

Autoridades e políticos criticam afastamento de Siro Darlan

Desembargador saiu da coordenação da Comissão da Infância e...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira...

Brasil vira rota de bengalis em busca de refúgio

Por: Mariana Della Barba O Brasil vem...

para lembrar

Advocacia pro Bono – O Direito é um Direito de todos!

Por que isto é importante No Brasil, o...

Doença falciforme é tema de audiência que o Senado realiza nesta manhã

Acontece neste momento, na sala 9 da Ala Alexandre...

‘A situação está muito difícil’, diz fundador do AfroReggae

  RIO - Reconhecido pelo papel de mediador...

EVENTO: Afro Hub

Na próxima quarta-feira, 30 de maio, às 10h30, será...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=