População impede prisão de estudante na Piedade após confusão com policiais

Após ação de policiais civis não identificados, cerca de cem pessoas iniciaram protesto

Por Thiago Freire Do Ibahia

Cerca de 100 pessoas uniram forças para impedir a prisão de Caio Oliveira Coutinho, 20 anos, estudante do Colégio Estadual Deputado Manoel Novaes na tarde desta sexta-feira (31). Por volta das 15h30, Caio foi abordado por policiais não identificados da Polícia Civil, na Praça da Piedade. A população chegou a levar o jovem para dentro do curso pré-vestibular Grandes Mestres. Minutos depois Caio foi levado para a delegacia por uma guarnição da Polícia Militar.

Segundo Eliane Silva, de 35 anos, que testemunhou a cena, tudo aconteceu no semáforo da Av. Sete de Setembro, na altura da Praça da Piedade. “Ele começou a atravessar com o sinal perto de fechar para pedestres. Aí fechou e ele começou a correr. O carro avançou e ele levantou os braços como se perguntasse ‘vai me atropelar?'”, conta. O carro, uma pick-up prata, era da Polícia Civil, mas não tinha identificação.

De acordo com Eliane os policiais desceram do carro armados e mandaram Caio encostar e colocar as mãos na cabeça. “Revistou uma vez, revistou outra, até os cadernos, tentando achar drogas, maconha. Eles (os policiais) nunca se identificaram”, afirma. Outras testemunhas confirmaram o depoimento de Eliane. Contam ainda que um dos policiais deu um tapa em Caio. “Um deles tomou o celular (de Caio), o rapaz chorou, a população foi defender”, lembra Eliane.

Apesar de não achar nada na revista, os policiais tentaram levá-lo. Nesse momento a população reagiu com mais veemência. Comerciantes locais, transeuntes e estudantes do curso pré-vestibular Grandes Mestres conseguiram impedir a prisão de Caio. “A polícia só não levou porque os estudantes do cursinho puxaram ele para dentro”, conta testemunha. Poucos minutos depois uma guarnição da Polícia Militar foi ao local e levou Caio para a 1ª Delegacia (Barris), por desacato à autoridade. Parte das testemunhas se dirigiu para a delegacia. Uma delas chamou um advogado para defender o estudante.

RTEmagicC_512c9926f7.jpg

Segundo o delegado Artur Ferreira, os policiais militares contaram que Caio os “chamou para briga”. Ferreira conta ainda que, após conversa na delegacia, o inquérito por desacato foi descartado. “A ocorrência foi registrada como não delituosa”, afirma. Caio, que vestia a farda do colégio, foi liberado às 17h15. Ele decidiu não prestar queixa contra os policiais civis. Caio também não quis ceder entrevista. “Estou muito nervoso”, disse.

+ sobre o tema

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

Justiça decreta prisão de suspeito de envolvimento no caso Marielle

Justiça decreta prisão de suspeito de envolvimento no caso...

Grafites de Marielle e Maria da Penha são alvos de ataques de vândalos no Rio

Dois grafites da vereadora Marielle Franco (PSOL) e um...

Justiça absolve policiais acusados de tortura e morte de Amarildo

A 8ª Câmara Criminal da Justiça do Rio de Janeiro absolveu ontem (13)...
spot_imgspot_img

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...
-+=