Por que a OMS diz que grandes surtos de ebola são o ‘novo normal’

O mundo está entrando em “uma nova fase”, em que grandes surtos de doenças mortais como ebola são o “novo normal”, adverte a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Por James Gallagher, da BBC 

Familiares colocam plantas sobre o túmulo de um parente que morreu vítima de ebola em Butembo, no Congo (GETTY IMAGES)

Historicamente, as ocorrências de ebola afetaram um número relativamente pequeno de pessoas.

Mas, agora, a República Democrática do Congo está enfrentando o segundo maior surto da doença de que se tem notícia, apenas três anos após o maior surto mundial ter terminado.

 

E a OMS afirma que os países precisam se preparar para novas epidemias mortais.

Já foram registrados 2.025 casos de ebola e 1.357 mortes em decorrência do vírus no atual surto na República Democrática do Congo.

Há pouco tempo atrás, o maior surto de que se tem notícia, que aconteceu na África Ocidental de 2014 a 2016, atingiu 28.616 pessoas, principalmente na Guiné, Libéria e Serra Leoa. Foram contabilizadas 11.310 mortes.

Em comparação, os 12 surtos registrados entre 2000 e 2010 resultaram em menos de 100 casos em média.

Mas por que os surtos mais recentes são muito maiores?

“Estamos entrando em uma fase muito nova de epidemias de alto impacto, e não apenas de ebola”, diz Michael Ryan, diretor-executivo do programa de emergências em saúde da OMS.

Segundo ele, o mundo está “vendo uma convergência de riscos muito preocupante”, que faz aumentar a ameaça de doenças como ebola, cólera e febre amarela.

Ele afirma que a mudança climática, a exploração de florestas tropicais, a mobilidade populacional, a fragilidade dos governos e os conflitos estão tornando os surtos cada vez mais prováveis ​​de ocorrer e mais propensos a aumentar de tamanho.

O que é o ebola?

– O ebola é um vírus que inicialmente causa febre súbita, fraqueza intensa, dor muscular e dor de garganta.

– Os sintomas evoluem para vômito e diarreia, além de hemorragia interna e externa.

– As pessoas são infectadas quando têm contato direto com sangue, vômito, fezes ou fluidos corporais de alguém com ebola.

– Os pacientes costumam morrer de desidratação e falência múltipla de órgãos.

Aprender a lidar

De acordo com Ryan, a OMS está monitorando 160 manifestações de doenças em todo o mundo, sendo que nove eram emergências de terceiro grau (o nível de emergência mais alto da OMS).

“Acho que nunca estivemos em uma situação em que respondemos a tantas emergências ao mesmo tempo. Este é o novo normal, e não acredito que a frequência desses eventos será reduzida.”

Como resultado, ele argumenta que os países e outros órgãos precisavam “se familiarizar com a prontidão e estar preparados para essas epidemias”.

O surto na República Democrática do Congo continua preocupando as autoridades de saúde.

Demorou 224 dias para o número de casos chegar a 1 mil, mas apenas 71 dias para chegar a 2 mil.

O combate à doença foi dificultado pelos constantes conflitos na região – entre janeiro e maio, houve mais de 40 ataques a instalações de saúde.

Outro problema é a desconfiança em relação aos profissionais de saúde, que leva algumas pessoas a evitar a busca de tratamento, aumentando o risco de espalhar a doença para parentes e vizinhos.

Josie Golding, líder de combate a epidemias na fundação Wellcome Trust, diz que o mundo precisa se preparar melhor para surtos como esse.

“No caso do ebola na África Ocidental, (a propagação da doença foi facilitada pela) mobilidade da população e as fronteiras porosas – que não vai mudar, é agora o mundo em que vivemos”, avalia.

Segundo ela, a mudança climática poderia levar a mais surtos, como o de cólera registrado em Moçambique após a passagem do ciclone Idai, em março deste ano. Mas ela espera que doenças resultantes de crises humanitárias não sejam um “novo normal”.

“A preparação precisa ser melhor; podemos ver os movimentos demográficos e a mudança climática, e precisamos de mais recursos para planejar e nos preparar.”

+ sobre o tema

Estudo indica que DSTs atingem mais os homens negros no Brasil

Fonte: Diário de Pernambuco - O total de homens negros...

Dennis de Oliveira: O plebiscito, os médicos e a contradição entre Casa Grande e Senzala

A presidenta Dilma Rousseff buscou retomar a iniciativa política...

Promotoras Legais Populares do Geledés recebem netos de Nelson Mandela em atividade de prevenção a AIDS

   Por: Nilza Iraci Fotos: Renato Oliveira As Promotoras Legais Populares do...

Irmãos albinos relembram momentos ao lado de fotógrafo Alexandre Severo

Amanda Miranda Kauan, hoje aos 10 anos, não se esquece...

para lembrar

Estudo indica que DSTs atingem mais os homens negros no Brasil

Fonte: Diário de Pernambuco - O total de homens negros...

Risco e escolha

A noção de risco em saúde orienta o processo...

Cerca de 100 especialistas em HIV estavam em avião da Malásia

Mortes de dezenas de destacados especialistas na área provocam...

Vacina de hepatite A passa a ser oferecida em todo o país este mês

Paraná, São Paulo e Roraima eram últimos estados que...
spot_imgspot_img

Seminário promove debate sobre questões estruturais da população de rua em São Paulo, como moradia, trabalho e saúde

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...
-+=