sexta-feira, dezembro 9, 2022
InícioQuestão RacialCasos de RacismoPresidente da Federação Italiana é suspenso por seis meses por racismo

Presidente da Federação Italiana é suspenso por seis meses por racismo

Comentários preconceituosos durante eleição ao cargo resultam em punição a Carlo Tavecchio, que assumiu o posto em agosto

 

O presidente da Federação Italiana de Futebol (FIGC), Carlo Tavecchio, foi suspenso por seis meses em razão de comentários racistas, após ter sugerido de forma depreciativa que jogadores africanos comem bananas. A punição foi decidida pelo Controle de Ética e Disciplina da Uefa nesta terça-feira, e o dirigente não poderá participar dos eventos oficiais da entidade neste período, como o próximo congresso em março do ano que vem.

– Mr. Tavecchio ficará inelegível para qualquer cargo oficial da Uefa por um período de seis meses. Ele não vai poder participar no próximo congresso da Uefa, agendado para 24 de março de 2015, e terá que organizar um evento especial na Itália com o objetivo de aumentar a consciência em conformidade com os princípios da Uefa contra o racismo – disse a entidade, através de comunicado.

Eleito presidente da Federação Italiana de Futebol (FIGC) em agosto, Carlo Tavecchio estava sendo investigado pela Uefa por supostos comentários racistas feitos durante o período em que era candidato. Segundo a “Agência Reuters”, ele se referiu a um jogador fictício com as seguintes palavras.

– Na Inglaterra, eles identificam os jogadores chegando e, se forem eles profissionais, são liberados para jogar. Aqui, chega um Opti Pobà, que antes estava comendo bananas e agora, de repente, torna-se jogador do elenco principal do Lazio – disse o cartola, às vésperas da eleição, chamando o jogador fictício de Opti Poba.

Aos 71 anos, o ex-presidente da Lega Nazionale Dilettanti (equivalente italiano ao Clube dos 13) superou Demetrio Albertini com 66,3% dos votos e se tornou o substituto de Carlo Tavecchio, que pediu demissão de sua função após a eliminação da Azzurra na Copa do Mundo.

 

 

Fonte: O Globo 

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench