Raquel Trindade fala sobre as mulheres do seu tempo e as de agora

Pesquisadora, artista plástica, folclorista, dançarina, avó, mãe, mulher. Essa é Raquel Trindade, filha mais velha do poeta negro comunista Solano Trindade, e que aos seus 77 anos, muito bem vividos, cuida dos filhos, dos netos e tem muita disposição para organizar eventos no Teatro que leva o nome de seu pai. Hoje estreia a 1ª Exposição Arte Mulher, onde Raquel é a curadora e que mostra obras de mulheres artistas da cidade. A Gazeta SP homenageia todas as mulheres através da entrevista a seguir com esta grande mulher.

Por Nely Rossany

Gazeta SP – A senhora viveu e viu tanta coisa, como vê o papel da mulher hoje na sociedade?
Raquel Trindade – È muito importante o papel da mulher ao lado do homem, não rivalizando com ele. Por exemplo, no meu caso: eu sou mãe, sou avó, eu pinto, eu faço xilogravura, eu escrevo, eu dou aula, danço, sou Yalorixá de Candomblé, jogo Búzios , quer dizer oriento as pessoas, mas é um trabalho de muitos anos. E eu lembro de minha mãe, que saiu da Paraíba, estudou bastante e trabalhou, era dona de casa e orientava os filhos e isso foi passando para mim.

 

GSP – Com quantos anos saiu da cidade onde nasceu?
RT – Sai de Pernambuco com 8 anos, fui para o Rio de Janeiro, e na época, a arte negra estava efervescente e meu pai e minha mãe junto com o sociólogo Edson Carneiro, criaram o Teatro Popular Brasileiro. Aí eu fui para a Europa com ele, toda a Polônia e antiga Tchecoslováquia, agora República Tcheca dançando e eu volto [para o Brasil] e aí vem os casamentos, casei oito vezes e aí quando o casamento não dá certo eu pego os filhos e vou embora e recomeço a vida… Em 1977 fui convidada para dar aula na Unicamp sem ter nível universitário de Folclore e teatro negro no Brasil. Aqui em Embu, meu  pai faleceu em 1974 e em 1975 eu criei o Teatro Popular Solano Trindade (TPST) que já tem 37 anos.

GSP – A senhora já recebeu muitas homenagens, pode falar sobre algumas… 
RT -Ano passado eu fui homenageada pela Marta Suplicy no Palácio do Planalto, junto com a [presidente] Dilma e também na Câmara de São Paulo pelo Movimento Negro de São Paulo, eu recebi troféu. Meu pai foi condecorado pelo Lula e agora eu pela Dilma.

GSP – Qual sua maior preocupação em relação às mulheres?
RT – Minha preocupação é que hoje muitas mulheres estão sendo assassinadas, está difícil entender isso. As mulheres que ainda sofrem maus tratos, né?! Porque felizmente eu nunca passei por isso, porque quando começa a falar mais alto eu já via que não estava dando mais.

GSP – A senhora viajando tanto, você sentiu preconceito por ser mulher, por ser negra?

RT- Olha eu tenho vários preconceitos: por ser mulher, por ser negra, por ser artista popular, por ser pobre, por ser nordestina e por ser de religião de matriz africana. Mas eu aprendi com os meus pais que a gente tem que ter orgulho de tudo isso, orgulho de ser negra – de ser pobre a gente luta para sair um pouquinho (risos) – mas orgulho de ser negra, de ser nordestina e ter orgulho da minha religião porque sabemos a nossa história…Essa preocupação que eu, meus filhos e meus netos estamos tendo de passar para os professores: a nossa história, para que os alunos negros tenha uma auto estima e os brancos não discriminem. E não generalizar achar que todo o branco é racista porque aqui no nosso grupo tem branco, tem japonês, e eu tenho um neto japonegro, uma neta afro germânica que mora em Berlim e tem outros netos que eu chamo de afro bege, porque mulato é pejorativo, é cor de mula.São três filhos e nove netos.

GSP – E quantos livros a senhora já publicou?
RT – Tenho três livros editados, a primeira edição com a história de Embu, a segunda edição ampliada e escrevi também pela editora Nova América junto com a Sandra (dona da editora) uma trilogia sobre os orixás. Agora estou preparando outro livro, com o mesmo nome do grupo de Campinas, que é Urucungos Puitas e Quinjengues, que são três instrumentos que vieram da África.

GSP – Quando a senhora chegou em Embu?
RT – Em 1955, viemos para São Paulo no grupo do meu pai aí aqui [Embu] já tinha o Sakai, o Cássio M’Boy, Asteca, Assis e a Nazaré, todos artistas. Aí o Sakai disse para o Assis “Assis você é negro e faz escultura, vai lá em São Paulo assistir o espetáculo do Solano Trindade e procura aprender sobre cultura negra para que sua temática seja negra”. Aí o Assis foi assistir ao nosso espetáculo e nos convidou para o Embu e aí veio papai com trinta artistas.Chegamos no Embu em 1961, ficamos loucos porque era muito bonito, os rios eram limpos,tinham muitos peixes, árvores…o Pirajussara quase não tinha casas, aí papai falou: “Isso é um Oásis, eu não vou voltar para lugar nenhum” e ficamos. Aí ficamos no barraco do Assis na Siqueira Campos, trinta pessoas dormindo no chão, parecia uma senzala e ali fazíamos festas que duravam três dias, dançávamos para a Iemanjá em volta da Lagoa, dançávamos maracatu e as pessoas iam acompanhando a gente…e durante a semana em São Paulo, íamos levar convites aos grande hotéis e consulados, e começou a vir gente do mundo inteiro, vir outros artistas também, e aí começou tudo.

GSP – As mulheres sempre tiveram participação política e artística na cidade?

RT – Muita, inclusive tem mulheres que lutam há muito tempo e tem as líderes comunitárias que são muito fortes e eu fico muito entusiasmada. E mesmo a mulher que não é conhecida e que sozinha cria um monte de filhos e consegue sobreviver, que para mim elas são heroínas. E tem mulheres em todos os setores, líderes na Igreja Catótlica, na Igreja Evangélica, no Candomblé, a participação da mulher está muito grande. Então eu não sei se talvez seja isso que incomode alguns homens, não todos – tem o homem jovem que ajuda a mulher com o serviço de casa, que também tem duas lutas, o trabalho e em casa junto com a mulher- e tem o homem que tinha aquele sentimento de posse e está vendo que não pode ser mais assim e fica desesperado e apela para o crime, para matar, para bater , para xingar, porque eles não estão acompanhando toda essa evolução da mulher.

GSP – O que falta ainda para a mulher nos dias de hoje?
RT – Acho que está faltando é segurança, até mesmo dentro de casa. De a mulher saber que se um homem atacar ela, ela tem onde correr e como se defender. E os homens que tem uma consciência maior, que já evoluíram bastante, começarem a dizer para o outro que não é bem assim a história, que as coisas mudaram. O problema no Brasil em todos os sentidos é a impunidade, a pessoa faz o que quer, mas não vai preso.

GSP – Qual a mensagem que você deixaria para todas as mulheres?

RT – As mulheres tem que ser fortes, fortes no sentido de saber o que quer e, companheira do homem, mas não submissa.

 

 

Fonte: O Taboanense 

+ sobre o tema

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

Estudante branco agride mulheres negras durante Virada Antirracista na UFSC

No dia de protesto antirracismo na UFSC, hoje (25), o...

Sobre o maçante e doloroso assunto “Solidão da mulher negra”

Tem um ponto a respeito do maçante e doloroso...

para lembrar

Lélia Gonzalez

Filha de um ferroviário negro e de uma empregada...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Encontro discute direito de mulheres negras

Um Seminário ocorrido no Rio Grande do Sul, discutiu...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=