Reitor garante apoio ao combate da violência de gênero e homofobia na UFRB

 

Em reunião realizada na tarde desta quarta-feira, 25, o reitor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Paulo Gabriel Nacif, recebeu representantes do Núcleo de Gênero, Diversidade Sexual e Educação da Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis e do Núcleo Capitu de Ensino, Pesquisa e Extensão em Gênero, Diversidade e Sexualidade. Na oportunidade, os grupos reivindicaram e garantiram apoio institucional ao combate da violência de gênero e homofobia no âmbito da universidade.

Representados pela professora Ana Cristina Givigi e discentes da UFRB, os Núcleos entregaram ao reitor um relatório contendo denúncias de abusos, violências físicas e verbais contra gays, lésbicas, mulheres heterossexuais e pessoas transgenêros dentro e fora da universidade. “Somos todos ameaçados e violados junto com esses alunos. A reitoria não pode fazer tudo sozinha, mas podemos fazer isso juntos na medida em que tivermos condições estruturais e políticas”, ponderou Ana Cristina.

A estudante do Centro de Formação de Professores e 1ª Diretora LGBT da União Nacional dos Estudantes (UNE), Larissa Passos, afirmou a necessidade de a universidade criar políticas que se comprometam com a luta contra a violência de gênero. Para o presidente da Associação dos Professores Universitários do Recôncavo (APUR), David Teixeira, que também participou da reunião, as denúncias do relatório precisam ser tratadas do ponto de vista emergencial. O professor defende que seja garantido o direito de igualdade no tratamento de todos.

Após as falas, o reitor Paulo Gabriel Nacif anunciou algumas providências para garantir, o mais rápido possível, o direito ao nome social às pessoas transgêneros, bem como oferecer cursos sobre a temática no Plano Anual de Capacitação e Aperfeiçoamento dos Servidores Técnico-Administrativos (PACAP), melhor estruturar os Núcleos sobre diversidade sexual, promover debates formativos por meio de estudiosos de gênero e sexualidade, combater a evasão de alunos LGBT por meio do Programa de Promoção do Sucesso Acadêmico e publicar uma cartilha educativa sobre a universidade e a homofobia.

Ao final, o reitor frisou a importância do diálogo com o Movimento LGBT para a consolidação da universidade: “É um movimento fundamental para consolidar a UFRB. Nós precisamos dialogar, não podemos formar bárbaros qualificados”, defendeu Nacif.

Com informações da Ascom/APUR.

 

 

Fonte: UFRB

+ sobre o tema

Os Caminhos da Sociedade Civil e o Sentido de suas Organizações e Coletivos

As manifestações brasileiras, e tantas outras pelo mundo,...

Marcha Mundial das Mulheres discute trajetória do feminismo na América Latina

Nesta terça-feira (27), as participantes discutem sobre as...

para lembrar

Homens e mulheres concordam: o preconceito de gênero interfere no salário

De 13 perguntas da pesquisa Mitos & Verdades, feita...

Mulher Negra Brasileira Um Retrato – Rebecca Reichmann

A opinião publica brasileira raramente reconhece ou critica os...

Diálogos Feministas: Análise de conjuntura e desafios para a defesa da democracia

Esta publicação traz uma síntese do debate realizado: uma...

Thorning-Schmidt é nomeada primeira-ministra da Dinamarca

A líder dos social-democratas dinamarqueses, Helle Thorning-Schmidt, foi oficialmente...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=