RS: briga entre neonazistas, skinheads e punks deixa ferido grave

MAURÍCIO TONETTO

Direto de Porto Alegre

Uma briga de bar envolvendo neonazistas, punks e skinheads terminou com ao menos oito feridos em Porto Alegre (RS). A confusão começou por volta das 7h deste sábado no Terraço Garibaldi, localizado na avenida Venâncio Aires, bairro Cidade Baixa. Conforme o delegado Paulo César Jardim, um dos feridos é negro e não tinha relação com a briga. Ele foi esfaqueado na barriga e encaminhado em estado grave para o Hospital de Pronto Socorro (HPS) da capital gaúcha.

“Ele estava no lugar errado, na hora errada. Sabemos que esses grupos odeiam negros, homossexuais e judeus”, relatou o delegado, que não descartou que o ataque tenha sido por discriminação. A confusão começou depois que uma adolescente punk foi provocada por um skinhead no interior do bar. Os grupos começaram a discutir e partiram para a agressão com pedras, garrafas, cadeiras e facas.

“Eu levei cadeirada na cabeça, o dono do bar chamou a polícia e acabei preso. Era cadeira voando e garrafas quebrando. Foi violento?”, ironizou um dos envolvidos, que não quis se identificar. “Fui comprar mais cerveja e fiquei olhando eles jogando sinuca. Quando eu vi, começou a confusão. Eu fiquei recuado e acabei apanhando, não lembro de mais nada”, contou Adalberto Oliveira, um dos clientes do estabelecimento.

Para o delegado Paulo Jardim, que investiga a atuação desses grupos no Rio Grande do Sul há dez anos, a briga não foi ideológica, mas uma investigação detalhada será feita a partir da semana que vem. “Eles frequentam os mesmos lugares e convivem até certo ponto, mas se odeiam. Eu conheço alguns deles, conheço seus históricos”, ressaltou.

Prestaram depoimento à polícia gaúcha três punks, dois skinheads e um neonazista. Os demais envolvidos na pancadaria estavam recebendo atendimento no HPS e devem depôr ainda neste sábado. As armas foram recolhidas e todos farão exames no Instituto Médico Legal (IML).

Histórico de agressões e apologia

Em 2010, um grupo de defesa dos direitos dos travestis no Rio Grande do Sul recebeu ameaças por telefone de um suposto neonazista, que disse preparar uma ação na 14ª Parada Livre. Em edição anterior do evento, cartazes que pregavam a morte de homossexuais foram afixados no bairro Bom Fim, onde ocorre a passeata.

Em novembro do mesmo ano, policiais civis apreenderam material de apologia ao nazismo em uma residência no centro de Porto Alegre. Foram recolhidos fotografias, CDs, camisetas, distintivos, facas, uma soqueira e um laptop, mas ninguém foi preso. Em 2009, apreensões semelhantes ocorreram em Cachoeirinha, Viamão, Porto Alegre e duas cidades da serra gaúcha.

Na ocasião, o delegado Paulo César Jardim disse que um grupo se preparava para realizar ataques a sinagogas e homossexuais. Ele disse que todos os integrantes foram identificados. O movimento dos neonazistas no Brasil tem como fundamento a segregação e discriminação de raças tidas por eles como inferiores.

Fonte: TErra

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Após sofrer racismo na escola, Kheris Rogers de 10 anos cria linha de roupas empoderadora

Você precisa conhecer Kheris Rogers, uma menina de 10...

A Discriminação de Boris Casoy: Isso é uma vergonha

Neste vídeo o apresentador da Band, Boris Casoy declara...

RACISMO NA ITÁLIA: Mais um capítulo do racismo na Itália

O prefeito de Brescia, Adriano Paroli, do PDL, informou...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=