Sem os pontos mais polêmicos, Senado aprova Estatuto da Igualdade Racial

O Senado aprovou nesta quarta-feira o Estatuto da Igualdade Racial. Mais cedo, o texto já havia sido foi aprovado, por unanimidade, pela CCJ (Comissão de Constituição de Justiça) e passou sem alterações no plenário da Casa. Agora, segue para sanção presidencial.

 

O texto prevê garantias à igualdade racial na saúde e educação, no trabalho e no acesso à terra. Na área educacional, por exemplo, incorpora no currículo de formação de professores temas que incluam valores de respeito à pluralidade etnorracial e cultural da sociedade.

 

Os pontos que traziam alterações práticas e imediatas, no entanto, foram rejeitados ao longo dos dez anos de tramitação da proposta no Congresso. O relatório do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) suprimiu o trecho que tratava de reserva de vagas para negros em partidos políticos e o que estabelecia políticas específicas de saúde para a população negra.

 

Para o ministro Eloi Araújo (Igualdade Racial), o projeto servirá de base para que o Executivo implemente medidas afirmativas e para respaldar a defesa de ações que tramitam hoje no Supremo Tribunal Federal –de inconstitucionalidade das cotas para negros no ensino superior e da demarcação de terras dos quilombolas.

 

Uma das ações do governo federal, diz ele, poderá ser a criação de mecanismos que ampliem a presença de negros na administração pública.

 

Texto

Alvo de críticas de parte do movimento negro por ter esvaziado a proposta, Demóstenes Torres disse que preferia ter deixado a votação para depois das eleições, mas que houve pressão do senador Paulo Paim (PT-RS), autor da proposta, e do governo para aprovação, apesar do clima eleitoral.

Para Paim, o texto aprovado não é ideal, mas “um avanço e tem toda a simbologia para que na sociedade brasileira ninguém mais seja discriminado”.

O deputado Edison Santos, ex-ministro da Secretaria Especial de Políticas para a Igualdade Racial, considerou que o preceitos da nova lei atendem às reivindicações da comunidade negra.

Fonte: Folha.com

+ sobre o tema

Pra cima com o esforço, moçada

Não sei em qual momento a ideia do esforço...

Proposta sobre ‘cura gay’ é aprovada em comissão presidida por Feliciano

Sob o comando do deputado federal Marco Feliciano...

SPM prorroga, até 30/8, inscrições para o Pró-Equidade de Gênero e Raça

Empresas e instituições privadas e públicas que promovem...

O Movimento Negro e o Pacto Nacional – por Sérgio São Bernardo

A presidenta Dilma anunciou medidas de peso em...

para lembrar

Para comunidade quilombola, trabalhar significa ficar longe da família

por Júlia Dias Carneiro Adelvan da Paixão, de 30...

Militantes do Educafro fazem greve de fome em frente ao Palácio do Planalto

Yara Aquino   Brasília - Cinco militantes do Educafro,...

Cúpula dos Povos: afro-religiosos debaterão justiça ambiental

  No mesmo período em que o Rio...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=