Semana da Consciência Negra debate as faces da negritude no Maranhão

Por Mariela Carvalho

A religiosidade, a política de cotas nas instituições federais, a herança quilombola maranhense foram alguns dos temas discutidos na “Semana da consciência negra do IFMA”. O evento, que foi promovido pelo Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indiodescendentes (Neabi), começou na quarta, 21, e terminou hoje, 23, no Campus Codó.

As boas vindas foram dadas pelo diretor geral do Campus Codó, José Cardoso. “É com entusiasmo que recebemos representantes de vários campi do Instituto para construírem um diálogo sobre as dimensões sociais dos negros”.

Conhecido nacionalmente pelas práticas religiosas do terecô, o município de Codó possui vários terreiros. As primeiras manifestações dessa religião são da época da escravidão, em que os negros praticavam suas crenças nas matas das fazendas de algodão de Codó.

maranhao2

Para falar sobre esse assunto, a organização do evento convidou para a mesa de abertura o mestre Bita do Barão, que relatou como foi o início de sua vida no terecô. “Eu comecei aos cinco anos de idade, quando a minha mãe me levou pela primeira vez ao terreiro. Na época havia perseguição e a gente tinha que se esconder da polícia. Fico feliz quando vejo que hoje a gente pode fazer nossas festas com liberdade”.

Também fizeram parte da mesa a assessora da reitoria, Rebeca Reis, representando o reitor Roberto Brandão; a pró-reitora de ensino, Ximena Bandeira Maia; o coordenador do Neabi Central, Batista Botelho; a diretora de desenvolvimento educacional de Codó, Francisca Vieira; e a representante da Associação de Ubanda e Candoblé de Codó, Maria Júlia.

Diálogos

maranha3

A programação continuou com a mesa “Educação, relações étnico-raciais e a lei 10.693/03” composta pela pró-reitora de ensino Ximena Bandeira, a professora do Campus Codó, Alecsandra Pereira e a professora do Campus Maracanã, Socorro Botelho.

A lei 10.693/03 trata da inserção da história e da cultura afrobrasileira e africana no currículo. “A cultura é uma forma de fortalecer a identidade e se não houver a obrigatoriedade de inserir esses temas é difícil quebrar as amarras”, afirmou a professora Alecsandra.

Em sua fala, a professora Socorro Botelho destacou a importância de inserir o debate sobre as relações étnico-raciais em todas as disciplinas. “Essa questão não pode ser vista isoladamente. Um professor de química, por exemplo, deve abordar esse tema em suas aulas”.

A pró-reitora de ensino Ximena Bandeira disse que o IFMA vai implantar uma política de formação continuada para os professores para que essa lei possa ser efetivada. “Contamos com a colaboração do Neabi para que possamos pensar em cursos de formação significativos e de qualidade para que possamos avançar nessa área”.

Após a mesa de diálogo, aconteceram apresentações culturais e a palestra ministrada pelos professores João Evangelista das Neves e João Áureo de Sousa da Universidade Federal do Piaui. Eles falaram sobre a implementação da lei de cotas nas instituições públicas.

Nos outros dias dos eventos além das palestras e apresentações culturais, aconteceram exposições de pesquisas e oficinas de tambor, de penteado afro e capoeira.

maranhao4

Fonte: Ifma 

+ sobre o tema

Coletivo Luiza Bairros: conheça grupo que atua no combate ao racismo institucional na UFBA

A principal estratégia utilizada é na exigência do cumprimento...

Após reivindicação do movimento negro, sítio arqueológico no centro do Rio será preservado

Diferente das ossadas humanas descobertas durante escavações próximas à...

Agenda única de eventos em novembro celebra a consciência negra na UFMG

Iniciativa, que une comunidade e gestão, integra formação, informação...

A roupa que habito: Vestimentas e adereços reforçam identidade de pessoas negras a partir da estética africana

Indumentárias são usadas como símbolos políticos de resistência. Por Itana Alencar,...

para lembrar

‘Vozes pela Igualdade’ começa nesta segunda

Questões de raça e etnia são temas da programação...

Em 6 meses, governo identificou 407 mil famílias na extrema pobreza

Após seis meses da criação do programa Brasil Sem...

Imagens e textos reforçam direito à liberdade religiosa no Brasil

Por: Alana Gandra     Rio de Janeiro - A Comissão de...
spot_imgspot_img

Câmara aprova projeto que torna Dia da Consciência Negra feriado nacional; texto vai à sanção

Por 286 votos a favor e 121 contrários, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) um projeto de lei que declara o dia 20 de...

Profissionais negros reinventam suas carreiras na TV e avaliam a importância da discussão racial

No Dia da Consciência Negra, o gshow conversou com artistas que compartilham a jornada que é ser um profissional preto na teledramaturgia. Entre eles, atores, atrizes e...

“Quanto mais diversos formos, melhores seremos”

Uma das mais destacadas intelectuais em atividade no país, a historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz, docente da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas...
-+=